6 motivos para assistir à Volta da Espanha 2018

A última Grande Volta da temporada começa no dia 25 de agosto

(Fotos: Getty Images)

A última Grande Volta da temporada, a Vuelta a España, ou Volta da Espanha a nós brasileiros, acontece entre os dias 25 de agosto e 16 de setembro. Depois de largar em Málaga, a competição deste ano cobrirá mais de 3.200 km, divididos em 21 etapas. Você pode estar pensando que, depois do Tour de France 2018, qualquer corrida de bicicletas agora será uma coisa chata. Mas não se engane. Separamos a seguir 6 boas razões para você não perder a grande Volta da Espanha 2018.

1. Sem Froome, sem Thomas

Com os britânicos Chris Froome e Geraint Thomas (Sky) fora da Volta da Espanha deste ano, provavelmente se abrirá o leque de novos possíveis campeões. A Vuelta serve também para colocar novos ciclistas em foco. Entre esses, fique atento no polonês Michal Kwiatkowski, 28 anos, que também compete pela Sky.

2. Muita escalada

Com oito chegadas em topo de montanha, a Volta da Espanha parece ser um pesadelo para os sprintistas. A 15ª etapa, em Lagos de Covadonga, é uma subida monstruosa que tem sido responsável por alguns dos melhores momentos da competição nos últimos anos. O Monte Oiz (etapa 17), faz sua estreia na competição. Já a etapa 20, em Andorra, serão 4 mil metros de ascensão em apenas 105 km! Em resumo, quem não escala absurdamente bem, não poderá vencer a Vuelta 2018…

3. Nossos vizinhos colombianos…

Nairo Quintana (Movistar), venceu a Volta da Espanha 2016, mas terminou o último Tour de France apenas em 10º na classificação geral. Mesmo assim, ele venceu uma etapa de montanha no Tour, e lidera a lista dos colombianos que podem vencer este ano. Rigoberto Uran, que no Tour de France caiu nos paralelepípedos da 9ª etapa e abandonou dias depois, é outro colombiano que vai dar trabalho. Assim como Miguel Ángel López, 24 anos, que na Vuelta de 2017 ganhou duas etapas, superando inclusive Nibali e Froome.

4. Uma segunda chance

É uma característica já da Volta da Espanha dar uma segunda chance aos ciclistas que tiveram azar ou simplesmente não foram bem no Tour daquela mesma temporada. Assim, temos que ficar atentos como se sairão Richie Porte, Vincenzo Nibali e Rigoberto Uran, que não veem a hora de voltar à ponta do pelotão. Os irmãos Simon e Adam Yatyes também vão, finalmente, unir forças na Espanha. E Fabio Aru, vencedor da Vuelta em 2015, espera contar com um pouco de sorte para tentar vencer na Espanha.

Leia também: O ciclismo virou um circo, diz Nibali

5. Peter Sagan

Sagan ainda está se recuperando das feridas deixadas pelo Tour de France 2018. Mas Sagan é Sagan: quando menos se espera, lá está ele, acelerando para vencer o sprint final de alguma etapa importante. Sem contar que, provavelmente, a Vuelta será sua última corrida usando a jersey arco-íris de campeão mundial.

6. A prova das esquisitices

Nibali, mirando um futuro de vitórias

Quase sempre, a Volta da Espanha é tomada por acontecimentos no mínimo bizarros. Seja Andy Schleck e Stuart O’Grady sendo desqualificados por festejarem muito em 2010, ou Nibali sendo expulso por segurar no carro de sua equipe, ou o Team Sunweb mandando Warren Barguil para casa por ele desobedecer a ordens da equipe em 2017, a Vuelta sempre nos lembra que ciclistas, apesar de terem forças descomunais, são seres humanos. Talvez por acontecer no fim da temporada, e a maioria dos ciclistas já estar com seus novos contratos assinados para o ano seguinte, a Volta da Espanha sempre reserva boas surpresas à sua audiência. Ficaremos de olho.