A difícil arte de voltar a pedalar

Como se animar para recomeçar a pedalar quando a força de vontade estiver fraquejando  

(Foto: Getty Images)

Por Selene Yeager

Você ama pedalar. Ou pelo menos costumava amar. Mas agora sua bike acumula poeira na garagem, assim como um antigo aparelho de musculação debaixo da cama. Você gostaria de pedalar novamente, mas está sempre quente demais, frio demais, está ficando meio tarde, suas costas estão doendo ou [insira aqui qualquer outra desculpa que puder encontrar]. Não se desespere. Continue lendo e aprenda como voltar a pedalar — e você vai amar isso.

Até mesmo os relacionamentos mais sólidos sofrem altos e baixos, e retomar o ritmo é mais fácil do que você pensa. Você só tem que dar uma série de pequenos passos na direção correta, diz psicóloga norte-americana Michelle Montero.

>> E-bikes também te ajudam a manter em forma

“O primeiro passo é reconhecer tudo que você já faz na vida, eliminar todos os pensamentos negativos e parar de se martirizar”, diz Michelle. “Temos uma tendência a realmente minimizar o impacto dos fatores de estresse cotidianos, sejam grandes ou pequenos. Pensamos: ‘Ah, costumava conseguir fazer isso antes, costumava dar conta do meu trabalho, minha família e da minha paixão pela bike. Como deixei isso acontecer?’.

Nós nos deprimimos sem nada de autocompaixão e sem reconhecer que a complexidade de nossas vidas demanda uma grande quantidade de energia mental, física e emocional. A vida pode simplesmente se colocar no meio do caminho.”

É verdade. A vida passa, porém saiba aqui como lidar com as próprias emoções e se motivar para subir no selim novamente – e logo!

Fale com você mesmo.

Em vez de se martirizar e pensar em que você “deveria” estar pedalando, pergunte-se por que parou. Houve algum evento importante na sua vida, como um emprego novo ou um filho? As coisas no trabalho ficaram mais agitadas? Você simplesmente se esgotou?

“Quando falo com as pessoas, as razões que as fizeram perder o hábito de praticar suas atividades fica claro, mas somos tão duros com nós mesmos que raramente damos credibilidade à essas razões”, diz Michelle. “Nem sempre é negativo dar uma parada quando precisamos, independentemente da razão. O primeiro passo é reconhecer o que aconteceu e o lugar onde você está.” Então, leia e se anime a voltar a pedalar.

Antes de mais nada, lembre-se por que você se apaixonou.

“Negatividade não vai motivá-lo; entusiasmo, sim”, diz Michelle. Ela recomenta dedicar um minuto pensando no que o ciclismo significa para você. Pergunte-se: Por que você curtia pedalar? Como pedalar fazia você se sentir? “É isso que você quer de volta”, diz ela. “Não é um dever; é um querer.” Simplesmente retornar a esse espaço mental já pode ser o estopim da sua volta.

Só encha os pneus.

Vá até sua bike e lhe dê um pouco de atenção. Tire o pó. Encha os pneus. Prove as marchas. Não pense em pedalar neste exato momento. Simplesmente retome o contato com sua magrela.  “O objetivo é romper o hábito de não fazer nada relacionado ao ciclismo”, explica Michelle. Atingir objetivos pequenos, mas facilmente alcançáveis, como lubrificar a corrente, facilitará que você retome a rotina e te deixará pensando em pedalar novamente.

Aceite o processo.

É da natureza humana que você queira voltar exatamente no mesmo lugar em que parou. Mas, dependendo do tempo que você não pedala, isso não é nada realista e pode ser autodestrutivo. Comece de onde estiver, estabeleça um objetivo, o lugar onde você gostaria de estar, então crie uma série de pequenas metas para chegar lá.

Algumas pessoas acham útil escolher um objetivo concreto como uma competição, diz Michelle. “Opte por uma meta que te dê o tempo que você precisa, seja um mês ou seis meses. Então crie pequenas metas intermediárias ao longo do processo.” Dessa forma, se seu objetivo for fazer uma prova de 100 km, o primeiro passo pode ser sair e pedalar 30 minutos três vezes por semana. E depois ir aumentando semana após semana.

Incorpore recompensas.

Definitivamente, haverá ocasiões em que você não terá vontade de se vestir e sair pedalando. No entanto você pode romper essa inércia unindo sua pedalada com alguma outra coisa que você curta, diz Michelle. Ela recomenda ir pedalando ao encontro de um amigo que você não vê há um tempo ou planejar o pedal de forma que o passeio ou treino acabe em um café ou um happy hour, onde possa desfrutar de boa companhia. “Quanto mais combinarmos coisas difíceis de fazer com coisas que queremos fazer, maior será a probabilidade realizá-las”, ela acrescenta.

Seja mais esperto que seu ego.

Ao planejar suas pedaladas, remova a maior quantidade possível de barreiras que você possa encontrar. Se estiver se programando para pedalar de manhã, coloque as roupas de pedalar do lado da cama e deixe a mesa do café posta, assim estará tudo pronto quando o despertador tocar. Se quiser pedalar depois do trabalho, leve os equipamentos com você e pedale direto de lá, assim você não precisa passar em casa e não corre o risco de se distrair com outras coisas (como o sofá) que atrapalharão seu progresso.

Adicione um estímulo.

Muitos de nós têm (ou teve) seu circuito de bike de sempre; mas, como você já sabe exatamente o que o espera, ele pode ficar monótono e desmotivador. Utilize os apps Strava, Ride With GPS ou Map My Ride para descobrir percursos novos na sua região. Depois baixe-os no seu ciclocomputador e vá pedalar. “Somente o ato de ir a um lugar novo já é mentalmente estimulante”, diz Michelle. “Ver e descobrir novos lugares é empolgante – qualquer coisa que desligue o piloto automático e traga criatividade e animação pode ser motivadora.”

Entre no embalo para voltar a pedalar.

Registre seu progresso marcando os dias de pedal no calendário. É uma forma visual de lembrar que está entrando no ritmo novamente. “Ao interromper o hábito de não pedalar e voltar à rotina, você começará a se sentir tão bem que não vai querer interromper a boa maré ciclística.”