Alternar a intensidade dos treinos faz bem para a saúde do cérebro

Por Elizabeth Millard, da Bicycling USA

Um novo estudo publicado na revista Brain Plasticity descobriu que alternar a intensidade dos seus treinos – como adicionar alguns sprints às seus pedais mais longos, por exemplo – pode levar a grandes benefícios para o seu cérebro.

A adição de esforços de alta e baixa intensidade em um treino pode melhorar seu humor, a capacidade de processar informações, prestar atenção e regular suas emoções.


A associação entre exercício e saúde cerebral está bem estabelecida neste momento, mas novas pesquisas descobriram que os benefícios diferem dependendo da intensidade da atividade. Isto é, alternando diferentes intensidades – pense: adicionando alguns sprints aos pedais mais longas – pode ajudar seus treinos a dar um impulso maior ao seu cérebro.

estudo, publicado na revista Brain Plasticity, analisou 25 atletas do sexo masculino que passaram 30 minutos em uma esteira em baixa intensidade e 30 minutos em alta intensidade em um dia separado. Antes e depois de cada sessão, as ressonâncias magnéticas funcionais (fMRI) – que medem as alterações no fluxo sanguíneo que ocorrem durante a atividade cerebral – foram usadas para examinar a conectividade em regiões do cérebro ligadas a processos comportamentais específicos.

Embora as duas sessões tenham mostrado um aumento no bom humor, o exercício de baixa intensidade mostrou mais conectividade funcional relacionada ao processamento cognitivo e atenção, enquanto o treino de alta intensidade ativou partes do cérebro relacionadas a processos emocionais.

+ Por que treinos intervalados são fundamentais

Mais pesquisas precisam ser feitas, mas a coautora do estudo, Angelika Schmitt, M.Sc., do Grupo de Neuroimagem Funcional do Hospital Universitário de Bonn, na Alemanha, disse à Bicycling USA que o estudo é um bom passo para entender as mudanças dinâmicas na estrutura e função do cérebro durante o exercício.

Este estudo tem limitações, incluindo um pequeno tamanho de amostra e curta duração do exercício. No entanto, este não é o único estudo recente a mostrar resultados interessantes quando se trata de alterar a intensidade do exercício.

Um estudo de 2019 da Universidade da Austrália do Sul, publicado no Journal of Science and Medicine in Sport, analisou a atividade cerebral de 128 participantes que fizeram exercícios no estilo HIIT e exercícios de baixa intensidade e duração mais longos.

Eles descobriram que ambos criaram mudanças benéficas nas conexões neurais, mas que a mistura do ritmo poderia ter vantagens adicionais na liberação do cortisol – o hormônio do estresse responsável por sua resposta de luta ou fuga – quando você se exercita.

A conclusão desses estudos recentes parece ser que vale a pena alternar quando se trata de intensidade. Portanto, da próxima vez que você sair para dar uma volta, considere alternar a intensidade do pedal para favorecer seu corpo e cérebro.