Testamos a bicicleta elétrica da Tito Bikes

A eUrban é ágil, bonita e com bom custo-benefício -- perfeita para que está pensando em deixar o carro na garagem

eUrban: O motor com três fases de torque aguenta bem as pirambas

Por Erika Sallum

As bikes elétricas estão ganhando cada vez mais adeptos pelo mundo, e no Brasil não tem sido diferente. Uma bicicleta elétrica já é uma alternativa viável de mobilidade. E nos próximos anos, veremos uma revolução na forma como as pessoas se deslocam pelas cidades – e boa parte disso se deve à evolução das e-bikes.

As marcas já perceberam o filão, e praticamente todas vêm focando sua atenção em modelos de bicicleta elétrica. Felizmente, empresas brasileiras também entraram na onda, oferecendo ao nosso público modelos mais em conta em um mercado com produtos ainda salgados.

Nesse sentido, a nova eUrban, da Tito Bikes, se revela um bom custo-benefício, em um país onde bicicleta elétrica urbana pode custar até R$ 20 mil. Vendida por cerca de R$ 6.000, a versão elétrica da linha Urban da marca brasileira criada pelo herdeiro da Caloi é charmosa e superprática. E cumpre com distinção sua função de ser uma opção mais saudável para quem quer deixar o carro na garagem, mas precisa enfrentar longos trajetos ou não se sente 100% em forma para encarar uma bicicleta tradicional.

Leia também: Uso de bicicletas elétricas cresce em SP nos últimos anos

Bicicleta elétrica para todos

Esta bicicleta elétrica tem bateria de lítio com carga para 50 km e é toda composta por peças Shimano (7 velocidades). Seu quadro é de alumínio, com pneus 700c caramelo. É meio pesadona, mas o motor com três fases de torque aguenta bem as pirambas – mas você precisa fazer a sua parte e pedalar, claro, pois hoje as e-bikes são de pedal assistido.

Em nossa bateria de testes, a eUrban me encantou – logo eu que, a princípio, tinha achado a bike grandalhona demais. O motor dá trancos, devido ao bloqueio obrigatório para limitar sua velocidade a 25 km/h, como manda a lei brasileira. É preciso saber trocar de marchas e encontrar uma harmonia entre pedalar e usar o motor. Mas nada que algumas pedaladas de adaptação não resolvam.

Para quem ainda torce o nariz para as elétricas, um aviso: elas vieram para ficar. E são muito, muito divertidas. Suas baterias são, sim, futuros lixos terríveis para o meio ambiente – porém ainda bem melhores que continuar usando carro e moto. (R$ 6.000; titobikes.com.br)