Bradley Wiggins: “Lance Armstrong é icônico”

“Eu não posso mudar o jeito com que ele me fez sentir quando eu tinha 13 anos. Lance mudou minha vida”

Bradley Wiggins, em retrato de 2016 (Foto: Bryn Lennon/Getty Images)

O britânico Bradley Wiggins voltou a ser destaque na mídia nos últimos tempos porque estava sendo investigado no Reino Unido por um suposto caso de doping. Mais recentemente, em entrevista à rádio britânica TalkSport, Bradley, que venceu o Tour de France 2012, afirmou que o norte-americano Lance Armstrong é uma figura icônica no ciclismo, e que sempre foi sua inspiração para praticar esse esporte.

Lance Armstrong venceu por sete vezes o Tour de France, a corrida de bicicletas mais famosa do mundo, mas perdeu todos os títulos depois de assumir, em 2013, que se dopou durante toda a sua carreira.

Naquela época, Bradley Wiggins chegou a dizer que Armstrong era um “bastardo mentiroso.” Lembrando que Lance, em seu retorno ao ciclismo, em 2009, derrotou o britânico para ficar com um lugar no pódio.

“Naquela época, eu era um ‘robô’ controlado pelo Team Sky”, disse recentemente Bradley à TalkSport. “Eu mal usava o meu próprio cérebro. ”

Leia também: Lance Armstrong e o podcast bombástico sobre o Tour de France

“Mas hoje eu vejo mais o lado humano disso tudo. Ele foi um escolhido, e pagou um preço alto pelo que fez. Eu tenho uma opinião sobre isso agora, e nem todo mundo vai gostar. Houve muita corrupção no passado, há muitas pessoas culpadas por isso”, completou o britânico.

Novo livro de Bradley Wiggins

Bradley Wiggins acaba de escrever um livro, Icons – My Inspiration, My  Motivation, My Obssession, que será lançado em novembro.

Apesar de ter prefácio escrito pelo lendário Eddy Merckx, o livro tem um capítulo dedicado a Lance Armstrong.

“Quando eu tinha 13 anos, Lance, então com 21, ganhou um título mundial. E eu fiquei fascinado com aquilo”, disse Bradley. “Eu saí de bicicleta no dia seguinte e pensei eu era o Lance Armstrong. Eu fui o mais longe que pude, antes de perceber que era melhor eu voltar antes que escurecesse. Ninguém vai tirar essa sensação de liberdade de mim, de pedalar e de ser inspirado por ele.”

“Eu não estou dizendo que Lance é um ícone”, continuou Bradley. “Ele é icônico, por boas e por más razões. Quer as pessoas gostem ou não, ele é icônico de alguma forma. E eu não posso mudar o jeito com que ele me fez sentir quando eu tinha 13 anos. Lance mudou minha vida.”