Ciclistas amam meias altas. Mas por quê?

Quem sabe não seja hora de optarmos por meias curtas e brancas, como as que usava o grande Coppi

Participe de uma pedalada em grupo e você encontrará meias de todas as cores, com comprimentos que chegam até a metade da canela (ou até mais altas). “Acho que meias altas são melhores para competir porque protegem o tornozelo”, diz Alison Tetrick, da equipe Cylance Pro Cycling. “Mas sejamos sinceros, o principal motivo se deve ao fato de serem mais bonitas”, confessa.

Em outras palavras, uma área de tecido maior significa mais espaço para expressar seu estilo pessoal e seu estado de espírito. “Hoje, será que eu preciso de uma explosão de cores?”, explica Alison. “Ou é melhor eu me manter sóbria, séria, e pronta para competir?”, se questiona logo depois.

Don Powell, fundador da Panache Cyclewear, no Colorado (EUA), prefere meias altas porque elas o fazem lembrar daquelas espécies de polainas que colocam nas patas dos cavalos de corrida. “Elas me instigam a ser mais veloz”, diz Don.

Quando se trata da altura da meia, qual seria o comprimento de uma peça alta demais? Alguns ciclistas começaram a adotar o uso de meias que chegam até a altura dos joelhos, que oferecem proteção para as pernas durante o mountain bike e um extra de compressão, mas esses modelos podem não ser a melhor opção para dias quentes (sem contar que não são tão bonitas).

Quem sabe não seja hora de optarmos por meias curtas e brancas, como as que o grande ciclista italiano Fausto Coppi usava nas décadas de 1940 e 1950? Vai do gosto de cada um.