Como a SRAM vai revolucionar o MTB e o ciclismo com seu novo grupo AXS

Os grupos eletrônicos da SRAM, para MTB e estrada, são "intercomunicáveis", e chegaram para revolucionar

Na última semana, a marca norte-americana de componentes Sram apresentou seus novos sistemas de transmissão (Eagle AXS, para MTB, e Red AXS, para estrada), que marcam uma evolução em quase todas as categorias do ciclismo: mountain bike cross-country, estrada, gravel, ciclocross e contrarrelógio.

Mountain bike cross-country: Sram Eagle AXS (XX1 e X01)

Sram AXS XX1
Sram AXS X01

Mais do que simplesmente ser um novo grupo de peças, o Sram Eagle AXS (nos modelos XX1 e X01) é um sistema que “conversa” com outros componentes, inclusive da linha de estrada (Tap AXS).

A versão XX1 tem peças de carbono e titânio. A tecnologia de sua versão mecânica se manteve. No entanto, o grupo indicado para MTB cross-country, além do acionamento eletrônico, que elimina fios e permite um cockpit extremamente clean, tem acabamento “arco-íris” nas peças corrente e cassete.

Já Sram X01 é indicado para MTB enduro, em que a bike e a engrenagem sofrem mais. Ele é mais robusto do que seu irmão XX1, com peças em alumínio.

Leia também: Essas são as melhores luzes para você por na sua bike

Mas há algumas sacadas interessantes. Uma tecnologia que desengata o mecanismo interno em caso de acidente promete preservar a vida útil do câmbio e da gancheira. O sistema é inteligente, e volta a funcionar normalmente depois que o ciclista volta a pedalar.

O passador de marchas é o mesmo da linha SRAM, com acionamento no polegar e no indicador, sendo que o acionamento no indicador pode ser feito com o dedo fechado – uma característica pensada nas corridas.

O aplicativo foi o que a SRAM entregou de mais inovador neste grupo para MTB. Com ele, os grupos podem ser montados facilmente, sem o uso de nenhum programa. Basta apertar os parafusos e ligar o sistema para sair pedalando.

Mesmo assim, o app permite customizar as necessidades do ciclista, e além de possibilitar o cross-over com os componentes de estrada, controla o seatpost retrátil (RockShox Reverb).

SRAM Red ETap AXS

Já na versão de estrada, o novo grupo eletrônico da Sram chega com a ideia  de uma maior amplitude de marchas nas trocas no cassete, além das 12 velocidades (substituindo as 11 do modelo anterior). A alteração no conceito se deu também em matéria de amplitude, um conceito que Sram batizou de X-Range — com trocas suaves.

São três opções de cassetes.

Veja no gráfico a seguir as combinações que prometem deixar as trocas de marchas bem mais eficientes.

Além disso, ele pode ser montado em uma única coroa, para uso em contrarrelógio ou ciclocross, por exemplo.

O novo grupo de estrada também conta com a tecnologia Orbit, um sistema hidráulico que promete suavizar e estabilizar ainda mais as trocas de marchas (em grupos mecânicos).

Ao contrário dos antigos eTap, que têm reputação de trocas lentas, o novo grupo eTap AXS está muito mais rápido. As duas coroas formam uma única peça, e caso você tenha algum problema em uma delas, ambas devem ser substituídas.

Além de proporcionar mais precisão, suavidade e rapidez, a Sram permitiu a intercomunicação entre seus componentes de estradas e MTB. Assim, o novo sistema AXS vai revolucionar a forma de customizar bicicletas. Canotes, trocadores e peças da engrenagem agora podem fluir facilmente entre modelos de estrada e MTB, ainda com a vantagem de um facílimo processo de instalação.

A partir de US$ 2.800 (R$ 10.500). Saiba mais em SRAM.COM.