Como o ciclismo tem ajudado um empresário a vencer o câncer

Aos 44 anos, Alexandre tem a força psicológica como uma grande aliada nessa batalha

Foto: Getty Images

“O ciclismo me dá uma força psicológica muito grande [para vencer o câncer]”, disse o empresário Alexandre Pacheco, 44 anos, em entrevista ao Estadão.

Alexandre começou a pedalar aos 11 anos, quando passou a percorrer de bicicleta um trajeto de mais de 5 km em São Paulo, escondido dos pais. A brincadeira ficou série e, quando adulto, passou a pedalar cerca de 50 km durante às noites, em um grupo de ciclistas.

Casamento e filhos chegaram a virar desculpas para ele parar de pedalar, mas em 2015, aos 40 anos, Alexandre voltou à prática regular de atividades físicas. E começou até a acordar cedo para pedalar.

Leia também: Por que pedalar faz bem à saúde

No começo do ano passado, no entanto, ele não aguentou vencer uma subida e cuspiu sangue. Em seguida, descobriu o pesado diagnóstico: câncer no pulmão. Segundo Alexandre reportou ao mesmo jornal, a doença lhe causou medo e insegurança, mas nada que o impediu de pedalar.

As sessões de quimio e radioterapia então foram intercaladas com 150 km de bicicleta por semana. Graças à força psicológica que o ciclismo lhe dá, Alexandre está conseguindo excelentes resultados: o tumor foi reduzido e ele se sente confiante para continuar praticando seu esporte e vencer o câncer.

“O ‘mental’ é importante para os ciclistas com mais de 40 anos”, diz. “A consciência corporal de um veterano é um diferencial para conseguir melhores resultados.” E é dessa forma que ele quer seguir em frente, com saúde. Bela lição!

Que você vença mais essa, Alexandre!