Dia Internacional da Mulher: um pedal para mostrar a força delas no ciclismo

Pedalada inédita só de mulheres acontece no dia 8 de março, na USP

Victoria Sá: “A ideia de formar este pelotão feminino é para mostrar a força e a importância das mulheres neste esporte”

Nesta sexta-feira (8 de março), no Dia Internacional da Mulher um pelotão formado inteiramente por ciclistas mulheres sairá da USP, em São Paulo, para um pedal coletivo.

“A ideia de formar este pelotão feminino é para mostrar a força e a importância das mulheres neste esporte”, diz Victoria Sá, uma das organizadoras do evento e integrante do Fuga Clube de Ciclismo.

Se hoje a gente ama a garra, o empenho e todo o ativismo da holandesa Marianne Vos, basta revirarmos um pouco a história para ver que o poder feminino no ciclismo não é recente: Maria Ward e Annie Kopchovsky são nomes que também quebraram barreiras em outros tempos.

>> As mulheres e o Tour de France: história de persistência 

Para este pedal inédito na USP, batizado de “Juntas Somos Mais Fortes”, Victoria conta que elas tentaram juntar o maior número de assessorias esportivas e clubes de ciclismo, na intenção de formar “o maior pelotão feminino da história”.

E claro que todo mundo foi bem receptivo à brilhante ideia.

O pedal do Dia Internacional da Mulher

Se você é mulher e pedala, sinta-se convidada – e não importa o seu nível de pedal. O encontro acontecerá na sexta-feira (8 de março), na Praça do Relógio Solar (a famosa “Bolinha”) da Universidade de São Paulo (SP), às 6h da manhã.

Depois da reunião, haverá uma separação em três pelotões de níveis diferentes, para que todas consigam aproveitar bem o pedal numa boa, sem sofrimento – afinal, o intuito do evento não é um treinamento.

Cada um dos pelotões formado por mulheres será “puxado” pelas líderes dos clubes e assessorias.

“É um evento aberto a todas as mulheres que quiserem participar, mesmo as que não estão vinculadas a nenhum clube ou assessoria”, enfatiza Victoria.

“Vamos rodar por uma hora e fazer uma confraternização no final, lá pelas 7h”, explica.

E aí, bóra!?