Dormir mal causa enxaqueca dois dias depois

Por Elizabeth Millard, da Runner's World US

Shutterstock

É mais fácil do que você imagina estragar sua rotina de sono. Uma noite assistindo Netflix até tarde pode levar a não conseguir adormecer no horário durante as próximas noites e deixá-lo com a sensação de enxaqueca quando o alarme toca pela manhã.

Associações entre sono ruim e maior risco de enxaqueca foram estabelecidas em vários estudos anteriores. Agora, uma nova pesquisa sugere que apenas uma noite de sono fragmentado poderia aumentar o risco de enxaqueca nos próximos dias.

Publicado na revista Neurology, o estudo analisou 98 adultos que relataram enxaquecas episódicas no passado. Eles usaram dispositivos de rastreamento do sono por seis semanas, além de fornecerem informações diárias sobre sono, dores de cabeça, ingestão de cafeína e álcool, atividade física, estresse e frequência de dor de cabeça.

+ Por que você fica com dor de cabeça quando pedala e como evitar
+ 11 sinais de que sua dor de cabeça é enxaqueca

Os pesquisadores descobriram que a curta duração do sono não estava significativamente associada à enxaqueca, mas a fragmentação do sono aumentou suas chances de ter enxaqueca dois dias depois. Esse é o tipo de sono em que você continua na cama, mas acordando durante a noite, de acordo com a principal autora do estudo, Suzanne Bertisch, diretora clínica de medicina comportamental do sono no Brigham and Women’s Hospital, em Boston.

“A duração do sono não foi associada a um risco maior de dores de cabeça, mas o tempo acordado na cama foi”, disse ela. Suzanne acrescenta que quanto maior a porcentagem de tempo em que você está acordado versus adormecido, maior o risco de enxaqueca – e não dia seguinte, mas no próximo.

Isso se aplica mesmo quando os pesquisadores se ajustam a outros fatores, como estresse, atividade, cafeína e álcool, disse ela.

O que isso quer dizer?

Em termos de por que uma enxaqueca de início tardio pode ocorrer, isso ainda é um mistério e merece mais pesquisas para investigar. No entanto, Suzanne e colegas pesquisadores especularam que o sono fragmentado pode causar alterações no controle do hipotálamo, a área do cérebro associada a funções como liberação de hormônios e regulação da temperatura corporal – que podem desempenhar um papel importante nas enxaquecas.

Há também uma pergunta sobre o ovo e a galinha aqui, qual vem primeiro? O risco de enxaqueca ou o sono fragmentado? Em outras palavras, sono ruim pode não ser causa de mais enxaquecas, mas um indicador precoce de que uma enxaqueca pode já estar a caminho.

Este estudo é semelhante a outros que analisaram o fluxo sanguíneo no cérebro, disse W. Christopher Winter, presidente da Charlottesville Neurology and Sleep Medicine e autor de The Sleep Solution (A solução do Sono, em tradução livre). Embora ele não tenha participado desse estudo recente, Winter participou de pesquisas anteriores sobre sono fragmentado.

Curiosamente, descobrimos que o fluxo sanguíneo é aumentado durante uma noite privada de sono, mas ele piora significativamente durante a noite fragmentada“, disse ele. “As enxaquecas estão claramente relacionadas ao fluxo sanguíneo cerebral, por isso não é surpresa que elas andem de mãos dadas com a qualidade do sono”.

O que fazer para evitar a enxaqueca?

A maioria dos especialistas aconselha dormir mais de seis horas por noite. Menos que isso pode colocar você em risco de outros problemas de saúde, como obesidade, pressão alta, diabetes, ataque cardíaco, insuficiência cardíaca, ou acidente vascular cerebral.

O principal argumento aqui e com outros estudos semelhantes é que, se tratamentos como medicamentos, compressas quentes ou frias, relaxar em uma sala escura e silenciosa, ou mesmo Botox não estiverem trabalhando para aliviar a frequência e a intensidade da enxaqueca, você pode querer considerar um estudo do sono.