E se você for mal na prova para a qual você estava treinando?

Você treinou, se preparou, e talvez tenha viajado para longe para fazer esse pedal. Mas deu tudo errado, e agora?

HOLLY CUTRIGHT

Por Selene Yeager

Eu me inscrevi na Dirty Kanza 200 — uma prova dura, de mais de 360 km em cascalho, que acontece em uma região difícil, inóspita, quente e com ventos fortes. Estava calma e confiante porque vinha me preparando há meses e acumulando centenas de quilômetros de pedal nos treinos. Nos primeiros dois terços da prova, eu me sentia indestrutível e já estava pensando no pódio, até que comecei a sentir a força ir embora. Ansiosa, forcei mais do que devia no começo e, sem perceber, superaqueci e comecei a sentir enjoo, a ponto de vomitar. Consegui pedalar até o posto de controle seguinte, onde tomei duas Cocas geladas que ajudaram. Mas a essa altura, qualquer possibilidade de pódio já era. Terminei, mas passei as semanas seguintes me sentindo um fracasso, e com a sensação de que todo aquele tempo treinando foi um desperdício.

Conhecemos várias histórias bem piores de corredores e ciclistas. Como meu amigo, o ex-ciclista profissional Neil Shirley, que fez a Kanza há uns 2 anos, em forma o suficiente para batalhar o pódio, mas acabou arrasado, no acostamento, com um câmbio quebrado nos primeiros 50 quilômetros. Ou o técnico de ciclismo Andy Applegate que estava na melhor forma da sua vida para o Master’s World Championships alguns anos atrás, mas teve a bike roubada do depósito logo antes da corrida. Neil conseguiu fazer uma gambiarra e terminou a prova com a bike funcionando como single speed, e Andy conseguiu uma bike emprestada e terminou a prova, mas ambos ficaram extremamente frustrados.

Ninguém quer lidar com a parte negativa de se preparar para os projetos dos sonhos, como uma viagem de bicicleta ou uma prova importante, mas lidar com frustrações potenciais deveria ser parte do treino, para você ter um plano de ação se precisar. Eu pedi ajuda ao técnico Andy Applegate, e para a psicóloga esportiva Kristin Keim. Veja os conselhos deles:

Não concentre a expectativa num único evento

MICHAEL BLANN/GETTY IMAGES

É ok ter um objetivo mais difícil em mente, mas não coloque todos os ovos na mesma cesta, diz Applegate. “Outros eventos que levem você até o seu objetivo são boas oportunidades de testar nutrição, hidratação, ritmo de pedal e tudo mais que você precisa trabalhar, mas também te dão a oportunidade de ter outros resultados para se orgulhar, principalmente se o evento principal tiver algum imprevisto”, recomenda.

Comemore suas marcas

JONATAN FERNSTROM/GETTY IMAGES

“Não importa o que aconteça, não deixe o resultado afetar sua autoestima. É só um pedal,” diz Applegate. “A preparação é tão importante quanto o evento em si, se não mais. Chegar ao nível de condicionamento que esse tipo de evento geralmente exige já merece ser comemorado.” Então, olhe para trás e dê valor para todas as coisas boas que você conquistou, seja a perda de peso, melhoras nos seus tempos ou a habilidade de subir melhor, e assim por diante. Mesmo que a jornada não tenha terminado exatamente como você esperava, não quer dizer que deu errado.

Termine, sempre que possível

JONATAN FERNSTROM/GETTY IMAGES

“A não ser que isso crie uma situação de risco ou que seja realmente impossível, termine o evento. O arrependimento é sempre maior ao desistir do que se você juntar forças para cruzar a linha de chegada,” diz Keim. Shirley concorda: “Eu tive muitas, muitas horas para pensar em muita coisa pedalando 280 quilômetros com uma única marcha, mas na hora que eu atravessei a linha de chegada eu estava me sentindo grato por ter terminado a prova, mesmo que não tivesse sido exatamente como eu esperava.”

Permita-se sofrer por um tempo

WESTEND61/GETTY IMAGES

“Se dê o direito de ficar arrasado,” diz Keim. “Mas depois é hora de se divertir sem compromisso e ter um descanso mental.” Essa fica funcionou para mim. Eu fiquei extremamente triste por alguns dias. Mas passei a semana seguinte fazendo mountain bike por diversão, só curtindo as trilhas e estar na natureza. Na semana seguinte, e estava com a cabeça bem melhor e pronta para focar no próximo desafio.

Faça um balanço

VASILY PINDYURIN/GETTY IMAGES

Tente entender o que deu errado e o que você pode aprender com a experiência. “Você cometeu algum erro na sua estratégia de nutrição ou de hidratação? Você errou no pace? Descubra como melhorar para a próxima,” diz Applegate. Veja também onde você acertou. Assim você pode fazer uma lista de erros e acertos para aperfeiçoar sua estratégia. “Metade da diversão nesses eventos é tudo que você aprende com eles,” diz.

Canalize a energia

WESTEND61/GETTY IMAGES

Se você está cheio de energia para gastar e insatisfeito, ache outro evento, ou escolha um desafio pessoal para não ficar parado. Pode ser algo tão simples como um desafio de altimetria ou de distância no Strava. Ou até mudar de atividade um pouquinho.

Se prepare para o pior

Imagem: MLENNY/GETTY IMAGES

Alguns ciclistas não gostam de pensar no que pode dar errado, como se isso fosse atrair coisas ruins. Mas se preparar para imprevistos  ajuda você a se preparar mentalmente, o que diminui o impacto negativo caso algo ruim de fato aconteça, explica Keim. “Você pode ter seis pneus furados. Você pode quebrar. Mas não é porque você prevê o que fazer caso essas coisas aconteçam que elas vão acontecer. Na verdade é o oposto: pensar nelas te deixa mais consciente do que fazer para evitá-las. Isso pode fazer você terminar ainda melhor do que o previsto.”

 

COMPARTILHAR