Etapa inédita da KMTB será pelas montanhas da Mantiqueira

Uma prova de MTB pra você curtir e se desafiar

Por Mario Mele

COMO JÁ FEZ com a corrida de montanha através do Circuito KTR, a marca brasileira Kailash quer dar um gás novo às provas de mountain bike através da KMTB – pelo menos quando se trata do eixo SP, RJ e MG.

Neste ano, no dia 21 de abril, uma etapa inédita da KMTB será realizada em São Bento do Sapucaí (SP). Mountain bikers prós e amadores estarão lado a lado (até que uma subida os separe) em uma das paisagens mais alucinantes do planeta; em plena Serra da Mantiqueira, pedalando entre montanhas que são marcos da escalada em rocha do país.

Subidas e descidas – no asfalto, na terra e por singletracks bem técnicos – são um diferencial da KMTB, um evento que nasceu em 2017 através de uma etapa única realizada em Mogi das Cruzes (SP). Esta competição ainda permanece no calendário 2018 da KMTB, e está marcada para agosto.

Mas é o novo desafio, em São Bento do Sapucaí, que promete revolucionar a KMTB e colocá-la entre os grandes eventos do mountain bike no país. “Para este ano, cerca de 500 atletas, profissionais e amadores, estarão na prova”, acredita Tani Oreggia, proprietário da Kailash e idealizador desses eventos promovidos pela marca. “Nosso objetivo é suprir uma carência de provas de bike que acontecem realmente na montanha”, completa Tani.

Isso faz toda a diferença na modalidade, e para ele também é a melhor sensação desse esporte. “É na montanha onde mora o desafio, e é do cansaço gerado para vencê-lo onde vem a satisfação.”

Nesse sentido, será impossível se decepcionar com a KMTB de São Bento do Sapucaí. Nos dois percursos opcionais – o Sport (35 km) e o Pró (55 km) – a altimetria não poupa: serão 1.531 m de subidas acumuladas ao primeiro e 2.400 m ao segundo.

“Na minha opinião, os atletas inscritos na ‘Pró’ deveriam se poupar na  primeira escalada para estarem mais inteiros nas segunda e terceira grandes subidas da prova”, recomendou o mountain biker profissional e local de São Bento, Carlos Cristóvão, que ajudou a traçar ambos os percursos. Ainda segundo ele, a parte psicológica, principalmente para encarar os downhills técnicos e velozes com consciência, também será primordial para quem pretende terminar bem colocado.

Para o diretor de prova Caco Fonseca, mais conhecido como atleta da Corrida de Aventura, praticamente 100% do percurso, em ambas as categorias, são pedaláveis.

NESTA QUINTA-FEIRA (22/2), a Bicycling esteve presente em um evento – promovido pela Kailash e pela Specialized, com o apoio da Thule –, de reconhecimento de parte do percurso para comprovar o perrengue. Se há um bom conselho para te darmos é desmontar da bike nas seções mais “casca” de downhill, caso você não seja muito bom nas descidas íngremes sobre valas, raízes e pedras soltas – “Preservar-se será essencial para cruzar a linha de chegada da KMTB”. Sem contar o cuidado com a hidratação e a alimentação, antes e durante a prova.

“Mesmo os que pretendem competir na categoria Sport devem estar cientes de que a KMTB não é uma prova para iniciantes”, alerta Caco. “É fundamental que todos estejam bem acostumados aos desafios do mountain bike.”

Ele calcula que o campeão na Pró deva terminar o percurso entre cinco e seis horas – sendo cinquenta minutos só para completar uma subida conhecida como Quebra-perna, no distrito de Luminosa (MG), o “crux” do KMTB de São Bento de Sapucaí.

>> KMTB – Kailash Mountain Bike
Onde: São Bento do Sapucaí (SP)
Quando: 21 de abril de 2018 (sábado)
Categorias: Sport 35k e Pró 55k (individual e duplas)
Quanto: Inscrições a partir de R$ 150 | kmtbseries.com.br
Onde ficar: Pousada do Quilombo Resort