Grata surpresa – Scott Scale 710 Plus

A Scott Scale 710 Plus é uma fat “magra” que sobe rápido e varre as descidas

Scott Scale 710 Plus

Por Mario Mele

Quem gosta de se testar e expandir os limites nas descidas vai se identificar com a Scott Scale 710 Plus. Performances sem limites em downhills técnicos geralmente pedem bikes full suspension, com sistema de amortecimento traseiro e dianteiro para aguentar os trancos das descidas. Mas o leve quadro de alumínio da hardtail Scale 710 Plus desta vez casou perfeitamente com os pneus Schwalbe Rocket Ron Evo, proporcionando muita diversão. A tecnologia SDS Shock Damping de absorção de vibrações, aliada aos pneus 27,5 midfat (2,8), deixa tudo incrivelmente estável e confortável.

Em pouco tempo, a brincadeira fica séria, e você vai pensar que, de repente, sua pilotagem sobre uma “rabo duro” (suspensão só na frente) evoluiu da água para o vinho. A Scott tem apostado nessa configuração de rodas e pneus como o resultado perfeito das medidas testadas nos últimos três anos no universo do mountain bike. E nós comprovamos que os Schwalbe são incrivelmente seguros sobre o pó e a lama.

Se em uma trilha técnica e veloz você ainda ficar para trás dos amigos que não pedalam sem a suspensão traseira, em estradões de terra a sua vantagem para eles será astronômica. Subidas com raízes ou pedras soltas e grandes? Não se assuste se você passar a perseguir esses obstáculos em busca de pura aventura. Nem por isso as descidas de alto nível passarão em câmera lenta. Além da excelente absorção de impactos do triângulo traseiro, na frente a suspensão FOX 32 Float Performance Air (120 mm de curso) trabalha em três modos distintos de amortecimento – completa e parcialmente livre e quase rígido –, controlados no guidão pela mão esquerda.

Palmas também para o cockpit clean da Scale 710 Plus. O largo guidão de alumínio Syncros FL1.5, de 740 mm, deixa os braços levemente abertos e comprova a intenção de ela ser uma bike para voar nas descidas “sujas”. O dedão da mão direita basta para passar as 11 velocidades da relação Sram Gx1 (1×11). A cada “tec” do gatilho, uma passada suave de marcha e a crescente certeza de que a coroa única está entre as modificações mais sensatas do mountain bike recente.

Velocidade não é nada sem um bom sistema de frenagem. O freio Shimano M506 (disco hidráulico), apesar de um modelo intermediário (um híbrido de Deore e Alivio), tem um honesto poder de parada, com boa modulação em condições molhadas. Devido à agilidade e velocidade da bike (surpreendentemente acima do esperado para um modelo “plus”), talvez você queira abrir mão do controle da suspensão no guidão para instalar um command post (ajuste rápido de altura do tubo do selim): mudar a postura em uma fração de segundo – e ajustar sua posição para subir e descer montanhas – é uma característica que combina muito com essa Scott Scale porque ela voa.

* Matéria publicada originalmente na Bicycling 6, de setembro/outubro de 2016.