Jady Malavazzi conquista medalha inédita ao Brasil em mundial de paraciclismo

Ela foi bronze na prova de contrarrelógio

Em Maniago, Itália, a paranaense Jady Malavazzi, de 23 anos, conquistou a primeira medalha brasileira em um mundial de paraciclismo (na categoria handbike). Ela foi bronze na prova de contrarrelógio.

“Foi em um percurso bastante técnico, com subidas e curvas perigosas”, conta. “Antes de largar, estudei cada parte da pista em detalhes.”

“Conquistar uma medalha inédita no evento mais importante da modalidade depois dos jogos paralímpicos é uma sensação incrível, que tem um gostinho ainda mais especial sendo contrarrelógio.”

Esta modalidade é particularmente desafiadora para a brasileira, que trabalhou duro nos últimos meses para melhorar seu tempo. Competindo na categoria Handbike WH4 (em que se pedala com as mãos), Jady foi agressiva durante todo o percurso de 13,6 km, fechando o desafio em 24min20 – menos de um minuto de conquistar o ouro, que ficou com a italiana Francesca Porcellato (23min36s). A prata foi para a norte-americana Alicia Dana (24min03).

Leia também: VELÓDROMO OLÍMPICO: DE “ARENA-PROBLEMA” À SOLUÇÃO

O Mundial de Paraciclismo rola até domingo, com provas de contrarrelógio e resistência, em várias categorias, no feminino e masculino.

Jady Malavazzi: História de superação

Jady na Rio 2016 (Foto via Facebook)

Hoje Jady Malavazzi está entre as melhores atletas do paraciclismo mundial. Sua história de vida é de pura superação.

Aos 12 anos, quando viajava com a mãe, o condutor de um outro veículo dormiu ao volante, invadindo a pista contrária e atingindo o carro onde estavam Jady e a mãe a 160 km/h. Depois do diagnóstico de lesão medular, foram meses no hospital, sem saber o que estaria por vir.

“O esporte entrou na minha vida aos poucos, quando iniciei o processo de reabilitação e conheci várias modalidades”, diz ela. “Foi o esporte também que me mostrou que eu poderia continuar capaz de tudo, e foi o meu aliado para eu superar todos os obstáculos de uma vida completamente nova”, conclui a brasileira.

Na olimpíada Rio 2016 Jady já havia conquistado um feito heroico, ficando entre as 10 melhores do mundo na prova de resistência.