“Mar de lama” obriga mudança de trajeto na Brasil Ride

Chuva forte que caiu no sul da Bahia obrigou os organizadores da Brasil Ride a mudarem o trajeto da terceira etapa

Mario Roma passa as instruções para o terceiro dia de competição (Foto: Tiago Brant)

A chuva forte (com vento frio!) que caiu no sul da Bahia ontem, segunda-feira, transformou o trajeto da terceira etapa da Brasil Ride em um mar de lama, o que obrigou os organizadores da prova a mudarem o percurso desta fase, que acontece nesta terça-feira na cidade de Guaratinga (BA).

“Fazia 40 dias que não chovia aqui. Então a prefeita mandou passar a máquina para tirar o pó da subida”, disse Mario Roma, o idealizador da Brasil Ride. “Aí todo mundo sabe que, depois que chove, isso acaba virando um pântano, um mar de lama. E seria inviável colocar essa turma para empurrar a bicicleta por 1,5 km na lama.”

O plano B será mais dinâmico: para fugir do mar de lama, os atletas darão duas voltas num circuito de 36,5 km, totalizando 73 km para este dia. “Todos poderão ver os atletas de elite passarem, vai ser um show, mais divertido e mais seguro para todo mundo”, disse Mario.

A competitividade será a mesma. E, ao final, os atletas terão tempo para repor as energias e revisar as bicicletas.

Brasil Ride 2018 – “mar de lama”

Nesta semana, até o dia 27 de outubro, está acontecendo a Brasil Ride 2018, a maior competição por etapas de mountain bike do Brasil.

Por enquanto, a dupla formada pelo português Tiago Ferreira e o holandês Hans Becking mantém a hegemonia na prova. Eles estão com menos de um minuto de vantagem para o brasileiro Henrique Avancini e o alemão Manuel Fumic, que formam a dupla da Cannondale Factory Racing XC.

Entre as mulheres, a brasileira Jaqueline Mourão e a canadense Cindy Montambault lideram, com três minutos de vantagem para as brasileiras Viviane Favery e Marcella Toldi, que seguem em segundo na colocação.

Amanhã é a etapa Rainha da Brasil Ride.