Marca chinesa quer revolucionar o mercado de e-bikes

A Xiaomi é uma empresa chinesa que produz de tudo, de aparelhos celulares a veículos automotores

(Foto: Divulgação)

A Xiaomi é uma marca chinesa que produz de tudo, de aparelhos celulares a veículos automotores. A última desta empresa é uma bicicleta elétrica, a Mi HIMO Electric Bicycle T1.

O modelo está sendo financiado via crowdfunding, e a previsão de lançamento é no próximo mês de junho. Uma das coisas que vem chamando a atenção, no entanto, é que o modelo deve custar, na China, o equivalente a menos de R$ 2 mil.

>> A bike elétrica da Harley Davidson

Claro que o preço seria uma tentação – se você já se interessou e procurou uma bike elétrica para comprar, vai concordar.

No entanto, o que parece um sonho pode parecer um pouco estranho: ao contrário das bicicletas elétricas de pedal assistido (em que o motor elétrico só funciona enquanto você pedala), a e-bike desta marca chinesa tem acelerador como o de uma moto.

Marca chinesa X  Código de trânsito

No vídeo de apresentação do modelo, eles ainda colocam a “bike” para girar na ciclovia – o que iria contra à resolução do Contran, que regulamenta o uso das e-bikes em ciclovias. Nela, está claro que, além de a velocidade máxima permitida ser de 25 km/h, o motor deve ser assistido.

A Mi HIMO Electric Bicycle T1 até que é “pedalável”, um recurso colocado, no entanto, para caso a bateria (que tem autonomia de 120 km, segundo a marca) acabe. A aparência desta e-bike lembra uma “lambreta”, ou “scooter”.

Portanto, por mais que você tenha gostado, para ser utilizada no Brasil, a e-bike da Xiaomi deveria passar por algumas alterações para ser permitida.