Pedalando uma Barra Forte, ele foi vice-campeão na Serra do Rio do Rastro

“Não é fácil, mas é divertido”, disse este personal trainer que adora pedalar sua Barra Forte “profissionalmente”

Marcelo faz força e se diverte enquanto escala a Serra do Rio do Rastro, em Santa Catarina (Foto: via Instagram)

O paranaense Marcelo Artungui é um personal trainer que se define “um especialista em emagrecimento” em seu Instagram. Mas ele é mais conhecido mesmo como “O Louco da Barra Forte”.

No último domingo, Marcelo foi vice-campeão do 10º Desafio Serra do Rio do Rastro, em Bom Jardim da Serra (SC), na categoria “marcha única”.

Leia também: Você não precisa ter uma bicicleta de última geração para competir

A Serra do Rio do Rastro é uma das mais belas estradas do Brasil. Descê-la de bicicleta, por exemplo, é uma maravilha. Mas é um sufoco descomunal subir pedalando. São 23 km de extensão, com alto grau de inclinação e curvas bem fechadas. Se de bicicleta com marchas já é difícil, imagine em uma single speed.

“Consegui pedalar sem descer da bike até o km 16 (dos 23 km)”, escreveu Marcelo em sua página do Facebook. “Depois, nos trechos mais exigentes, alternei entre corridas (empurrando a bike) e pedaladas, e consegui fechar a prova com o tempo de 1h43min –muito abaixo do esperado, que era de 2 horas.”

Traje e bike incomuns: Marcelo no pódio do 10º Desafio Serra do Rio do Rastro (Foto: via Facebook)

Leia também: A musculação para melhorar o seu pedal!

“De Barra Forte não pode”

Marcelo tem uma relação intensa com sua Barra Forte. Neste ano, ele foi desclassificado da prova Sesc Triathlon por estar utilizando esta mesma bicicleta (Caloi modelo Barra Forte Circular). Segundo a organização, a bike que é ícone de transporte de carga dos anos 1980 não estava de acordo com o regulamento.

O importante é competir: Marcelo durante o Sesc Triathlon, no qual foi desclassificado (Foto: via Facebook)

Agora, mais uma vez ele provou que o espírito competitivo e a vontade de pedalar é o que mais importa. “Não interessa a roupa, nem a classe social, nem a bicicleta. O que vale mesmo é o amor e a dedicação pelo esporte”, concluiu sabiamente.