Peter Sagan ainda não está 100% para a Tirreno-Adriático

Depois de se livrar de uma virose, o ciclista eslovaco superstar volta à ativa na Tirreno-Adriático, mas sem muita expectativa

Peter Sagan durante o Tour de France 2018 (Foto: Chris Graythen/ Getty Images)

Tida como um desafio preparatório para a Milan-San Remo e para o Tour de France, a Tirreno-Adriático não terá mais a chegada no topo das montanhas Apeninos, o que dará uma oportunidade e tanto para sprintistas como Peter Sagan… Mas isso caso ele estivesse em 100% de sua forma física.

A Tirreno-Adriático terá também um contrarrelógio por equipes de 21 km em sua abertura (13 de março), e outro (individual) no final.

>> Peter Sagan sobe escadarias e fãs enlouquecem

Ao longo de suas cinco etapas, a prova terá uma sequência de terrenos acidentados pelo percurso, mas sem final no topo, o que a deixa aberta a muitas possibilidades.

Peter Sagan terá que superar ciclistas como Greg Van Avermaert, Julian Alaphilippe e Primoz Roglic, que podem brilhar neste desafio que é uma amostra do quanto estão fortes os combatentes do Tour de France 2019.

Peter Sagan e a Tirreno-Adriático

Peter Sagan, que começou a temporada competindo na Vuelta a San Juan, na Argentina, se afastou das competições em fevereiro. Apesar de um training camp em Sierra Nevada, foram 5 semanas de afastamento das provas. Além disso, ele sofreu com uma virose estomacal na semana passada, o que o obrigou a ficar 5 dias afastado dos pedais. Ele também obviamente se alimentou mal nesse período.

Portanto, não podemos esperar muito nem julgar Sagan pelo seu desempenho nesta Tirreno-Adriático 2019 – prova na qual ele tem mandado bem nas últimas seis edições. Ele sabe que o começo de temporada para valer será mesmo a partir da Milan-San Remo, que acontece no dia 23 de março.