Senado aprova projeto que visa estimular o uso da bicicleta

Programa Bicicleta Brasil prevê investimento anual de R$ 1,3 bilhão

(Foto: pexels.com)

Agora a medida só depende da aprovação presidencial para entrar em vigor

O ciclismo como meio de locomoção nas grandes cidades vem se tornando cada vez mais uma preocupação mundial. No Brasil, já vimos tentativas bem-sucedidas de ampliação dos sistemas de compartilhamento, através das bikes do Itaú/Tembici e da Yellow. Agora, o Programa Bicicleta Brasil (PBB), uma medida aprovada na última quarta-feira no Plenário do Senado, promete colocar a bicicleta em um novo patamar aqui no Brasil.

Com a intenção de integrar o quanto for possível as bicicletas ao sistema de transporte público coletivo, o Programa Bicicleta Brasil deverá apoiar e incentivar estados e municípios a construírem bicicletários, ciclovias e ciclofaixas, além de promover campanhas em prol da bicicleta.

São Paulo vai ganhar serviço de aluguel de bikes elétricas

Programa Bicicleta Brasil: mais apoio às bikes

O Programa Bicicleta Brasil foi lido pelo seu relator, o senador Eduardo Braga (MDB-AM), que reforçou a necessidade de se valorizar o transporte por bicicletas no país. “Cidades que já desenvolvem ações em favor do uso das bicicletas contarão com maior apoio, principalmente financeiro”, disse.

Outros parlamentares, como os senadores Carlos Valadares (PSB-SE), Randolfe Rodrigues (Rede-AP) e Jorge Viana (PT-AC) elogiaram a proposta. Para Jorge Viana, inclusive, este é um dos projetos mais importantes aprovados pelo senado nos últimos tempos.

Trata-se de uma medida que visa combater as mudanças climáticas, com inclusão social e mobilidade urbana, afirmou Viana.

Segundo a proposta, o Programa Bicicleta Brasil será financiado por 15% do total arrecadado com multas de trânsito – o que daria em torno de um investimento de R$ 1,3 bilhão neste segmento de mobilidade urbana.

A medida está prevista no Projeto Lei da Câmara nº 83/2017, e agora só depende da aprovação presidencial para entrar em vigor.

(Fonte: Senado Notícias)