Rumo à Brasil Ride – Parte 2

A saga de um jornalista (quase) destreinado para completar uma dura prova de MTB

NO SEGUNDO VÍDEO da série “Rumo à Brasil Ride”, o jornalista Tiago Brant conta um pouco como foi participar da KMTB em São Bento do Sapucaí (SP), sua primeira competição do objetivo de “chegar preparado à Brasil Ride“, uma dura prova de mountain bike por etapas que acontece em outubro, na Bahia.

Sem tempo de ir com frequência às trilhas, Tiago usou as ladeiras da Vila Madalena e de Alto de Pinheiros, em São Paulo, para pelo menos tentar sobreviver às montanhas da Serra da Mantiqueira, onde aconteceria a KMTB. O resultado ele relata logo abaixo, no texto e vídeo a seguir:

(Clique AQUI para ver o primeiro episódio)

“PEDALAR É MUITO
legal. Se for de MTB, melhor ainda. E se for em São Bento do Sapucaí (SP), no coração da Serra da Mantiqueira, aí a gente entra em território do sagrado, incrível, quase insuperável. Porém, é preciso estar minimamente treinado, pra não virar pagamento de pecados. Nunca me esqueço de um Desafio da Mantiqueira, alguns anos atrás, em que demorei 7 horas para completar pouco mais de 50km, sofrendo como nunca!

Não era esse o tipo de experiência que eu esperava da KMTB,   uma prova reconhecidamente dura, em uma etapa inédita nos altos e baixos de São Bento do Sapucaí. Por isso, três semanas antes da prova, eu comecei a treinar com mais frequência e seriedade. O único problema é que moro em plena “Selva de Pedra” (cidade mais conhecida como São Paulo), e por aqui as ladeiras são de asfalto. Resultado: peguei minha bike Specialized Venge, de estrada, e resolvi desbravar algumas das ladeiras mais desafiadoras da zona oeste de Sampa, como a Avenida São Gualter, a Rua Pio XI e um trecho bem inclinado da Rua Fradique Coutinho.

Para falar a verdade, eu não esperava que esse treino descolado pelas ladeiras de Alto de Pinheiros e Vila Madalena fossem me preparar para a KMTB. Fui para a KMTB competir humildemente na categoria Sport – ‘meros’ 35km e pouco mais de 1.500 metros de ascensão, evitando a todo o custo disputar a categoria Pró e ter que encarar a temível Subida da Luminosa, totalizando 55km e mais de 2.400 metros de ascensão.

Eis que, em meu primeiro desafio pra valer rumo à Brasil Ride, na Bahia, em outubro, fui surpreendido! A KMTB foi linda, muito prazerosa e – pasmem! – curta. Isso graças aos meus treinos alternativos na Venge estradeira. No dia da prova, usei uma bike MTB Specialized Chisel ‘pra lá de competente’, com relação leve o suficiente para eu subir todas as ladeiras da região sem precisar sofrer. No final das contas, me arrependi de não ter encarado a categoria Pró e a lendária Luminosa – ela que me aguarde no ano que vem. Mas senti que consegui dar um passo importante rumo ao meu grande objetivo, a Brasil Ride 2018!”