Sem camelo: PETA sugere que turistas utilizem e-bikes em visita às Pirâmides

A crueldade com animais choca turistas em um dos lugares mais visitados do mundo

Por que não e-bikes, ao invés de camelos e cavalos, sugere a PETA (Foto: Getty Images)

Visitar as Pirâmides do Egito tem se tornado um desafio e tanto para pessoas que se preocupam minimamente com o bem-estar animal. É que segundo o jornal The New York Times, este lugar, que é um dos pontos mais turísticos mais visitados do mundo, se tornou um verdadeiro inferno para cavalos que puxam carroças e camelos.

Segundo a publicação, os turistas estão se indignando com o tratamento precário e abusivo que está sendo dado a esses animais.

>> Arara “pega carona” com ciclista em estrada

O turismo no Egito, que viveu uma baixa por conta de protestos em 2011, teve um forte salto mais recentemente. Mas esse ressurgimento tem se mostrado fragilizado, principalmente pelas práticas cruéis com os animais — o que, ao que tudo indica, acabará refletindo negativamente no comércio.

A ONG PETA (People for the Ethical Treatment of Animals), uma das mais importantes no mundo voltadas ao direito dos animais, sugere então que os turistas encontrem maneiras alternativas para se moverem entre as Pirâmides do Egito. “Talvez seguindo o exemplo do Coliseu de Roma, onde é possível alugar Segways, ou os templos de Angkor Wat, no Camboja, onde as e-bikes (bicicletas elétricas) são uma alternativa aos passeios de elefante”, disseram ao jornal TNYT.

A turista húngara Noémi Haszon ficou chocada com o tratamento dado aos cavalos que puxam charretes carregadas de turistas por entre as pirâmides. E a sensação de admiração ao ver as pirâmides de Gizé ou o Vale dos Reis foi estragada por essas cenas de crueldade com os animais que “trabalham” lá.

De volta ao seu país, ela então criou uma petição online,  pedindo ao governo do Egito que acabe imediatamente com a crueldade de animais nesses locais turísticos. Em pouco tempo, quase 50 mil pessoas já haviam assinado o documento.

É hora de mudar, acredita Noémi. E as e-bikes podem ajudar em mais essa.