Trek e Ford trabalham em sistema de comunicação entre bikes e carros

Empresas estão desenvolvendo tecnologias bicicleta-para-veículo, que enviariam um alerta automaticamente ao motorista assim que bicicleta e veículo se aproximassem

Divulgação Ford

Por Matt Phillips

A maior preocupação para ciclistas no que se refere aos carros é a segurança – afinal, numa colisão de um corpo de 2 toneladas contra um de menos de 100 quilos, é fácil prever quem se sai pior. Essa preocupação está ligada a visibilidade passiva, um dos maiores avanços em equipamento ciclístico dos últimos anos. A indústria está investindo em cores brilhantes, refletivos e iluminação mais eficientes como formas de chamar a atenção de motoristas.

A Trek e a Bontrager, marca do grupo, estão tendo destaque em visibilidade passiva, com uma linha de produtos que segue os parâmetros ABCs da Atenção, criados pelo grupo (Always on, Biomotion, Contrast). A sigla significa, em tradução livre, Sempre na bike, Biomovimento e Contraste. Mas uma parceria recente da Trek com a automotiva Ford e a desenvolvedora de software Tome indica uma evolução potencial de visibilidade passiva para ativa, que pode melhorar a segurança de ciclistas no trânsito.

A tecnologia se chama Bicicleta para Veículo, ou B2V. É um conceito em desenvolvimento – não há ainda produtos disponíveis para o consumidor final. Mas a ideia fundamental é que as bicicletas tenham um emissor que acione alarmes em carros quando houver um ciclista próximo.

Ainda faltam muitos detalhes de como o mecanismo funcionaria. Os pesquisadores estão avaliando tecnologias de comunicação já disponíveis, como o Bluetooth e o Wi-Fi para torná-las aplicáveis no sistema. Mas o plano é incorporar o componente da bike do sistema bike-carro em algo tão pequeno e leve como a iluminação da bike, ou potencialmente, no próprio quadro.

No evento anual Consumer Electronics Show em Las Vegas, os parceiros da tecnologia B2V anunciaram que pretendem integrar B2V a um conceito mais amplo, o Veículo-para-Tudo (V2X), que busca criar comunicação direta de automóveis com outros carros, acessórios para pedestres e infraestrutura de tráfego, como semáforos e placas.

Em vez de alertar quando todo e qualquer ciclista estiver próximo do carro – algo que pode estimular os motoristas a deixarem o sistema desligado – a ideia é que o B2V alerte motoristas quando houver algum ciclista em uma “situação potencialmente perigosa”. Definir corretamente essas situações vai determinar o sucesso do sistema.

A perspectiva implementação é obscura também. Mas de acordo com o gerente de marca da Trek, Eric Bjorling, a primeira geração de B2V deve estar no mercado em até dois anos. Bjorling também sinalizou que o plano é tornar a tecnologia B2V open source (ou seja, disponível para uso e colaboração de qualquer marca ou usuário).

Além da tecnologia B2V como imaginada pela Trek e pela Ford, o futuro com carros inteligentes que se conduzem sozinhos cria toda uma nova categoria de questionamentos, problemas e possibilidades para ciclistas e questões de segurança.