Uso de bicicleta elétrica cresce nos últimos anos em São Paulo

Praticidade, segurança e estilo de vida mais saudável são as justificativas desse crescimento

bicicleta elétrica
(Foto: Getty Images/Katja Kircher)

Trânsito caótico, ônibus lotado, combustível caro… Nos últimos anos, os brasileiros viveram uma série de problemas que os fez repensar o modo como se movem pelas grandes cidades do país. E comprar uma bicicleta elétrica, ao que tudo indica, foi uma boa escolha por novas alternativas.

Com uma bicicleta elétrica, fica muito mais fácil encarar as pirambas, enfrentar distâncias maiores e não chegar suado ao trabalho ou a um encontro. Atualmente, os modelos são por pedal assistido, o que significa que a bicicleta elétrica te ajuda no ganho de energia, mas só se você pedalar – não há mais aquelas bikes com acelerador.

Leia também: O guia definitivo das bikes elétricas

Segundo um estudo feito pela Aliança Bike e divulgado pelo Estadão, as bicicletas elétricas aumentaram consideravelmente de concentração nos últimos três anos na maior cidade do país.

De acordo com o levantamento, elas representavam 2% das bikes que circulavam em São Paulo em 2015. Hoje, elas já são 9% – grande parte delas rodam pelas ciclovias da Avenida Brigadeiro Faria Lima, Consolação, Paulista e Sumaré.

Bicicleta elétrica: regras especiais

Se você pretende adquirir uma bicicleta elétrica, atente-se às normas, que são diferentes das válidas para a bicicleta convencional.

Acessórios de segurança, como capacete, luzes de sinalização (traseira e dianteira), retrovisor e buzina, são equipamentos obrigatórios.

Apesar disso, a velocidade permitida em ciclovias e ciclofaixas é a mesma normatizada às bicicletas convencionais, que é de 25 km/h.

As bicicletas elétricas são superpráticas, e vieram para ficar. Fique atento aqui no site da Bicycling aos novos lançamentos, testados por quem conhece do assunto.