Você não precisa ter uma bicicleta de última geração para competir

Um jornalista quer mostrar que não é preciso ter a bike mais tecnológica para competir nem se divertir

Spencer com sua bike de "última aquisição" (Foto: Cliff Grassmick / dailycamera.com)

Um norte-americano que provar que bike antiga também pode ser sinônimo de diversão e performance

Aos 34 anos de idade, o norte-americano Spencer Powlison conhece bicicleta melhor do que qualquer um. Como ciclista e diretor de notícias do site VeloNews.com, especializado em ciclismo, ele está por dentro dos maiores lançamentos no mundo das bikes.

Mesmo assim, está longe de parecer iludido com a tecnologia. Na prova Leadville 100 – cujo desafio é percorrer 100 milhas (160 km) em altitude elevada –, que acontece no dia 11 agosto, pelas Montanhas Rochosas do Colorado (EUA), Spencer estará com sua Specialized Stumpjumper ano 1983.

Isso mesmo, uma bicicleta que já tem 35 anos — com quadro de aço e sem qualquer suspensão, freio a disco, câmbios e passadores modernos. Resumindo, uma bike muito mais pesada do que as de fibra de carbono que a maioria de seus adversários estará usando na prova.

Spencer quer mostrar que ciclistas não precisam de uma bike de última geração para se divertir e, até mesmo, competir em um evento importante e desafiador como a Leadville.

Leia também: As melhores MTBs hardtail de 2018. 

“Vejo hoje que os ciclistas estão muito obsessivos com bicicletas e equipamentos, se empenhando em ser cada vez mais tecnológicos”, diz. “E pessoas como eu somos culpadas por isso”, diz Spencer. “Nós que dizemos o quanto esses equipos são legais, e os leitores vão lá e gastam milhares de dólares com isso.”

No entanto, Spencer curte ver as pessoas nas ruas pedalando simplesmente as bicicletas que elas têm à disposição. Não importa se é uma bike antiga, velha ou nova.

“Basicamente, bicicletas, velhas ou novas, são a mesma coisa, porque a experiência deixada a longo prazo é o prazer de pedalar.”

Para Spencer, que começou a se apaixonar pelo mountain bike na infância, será também uma experiência emocional, uma volta às raízes. Sua bike foi adquirida no ano passado, comprada no site eBay por US$ 300. Ele fez somente algumas alterações, como trocar o selim e os pedais, para poder competir com ela na Leadville.

“Também espero conversar com outros competidores para descobrir se eles têm  outras boas histórias para contar”, diz Spencer, já pensando em novos assuntos para reportar no VeloNews.com.