Yellow restringe área de atuação e frustra usuários

Agora quem deixar a bicicleta fora da área delimitada pagará uma multa de R$ 30

(Foto: yellow.app)

Se há dois meses a Yellow chegou como uma revolução no sistema de compartilhamento de bicicletas, uma notícia recente deixou grande parte dos usuários frustrada. É que agora as bicicletas amarelas, que foram muito adoradas por não exigirem uma estação de devolução, e que até então poderiam ser deixadas em qualquer lugar da cidade, terão uma área demarcada de atuação.

Você até pode pedalar fora do espaço delimitado, mas caso acione a tranca e finalize o pedal fora dessa área no mapa (veja abaixo), pagará uma multa de R$ 30 – ficou mais  vantajoso agora pegar um Uber. A medida começa a valer a partir do dia 1º de outubro.

Yellow bikes

Muitos consideraram a medida um abuso a um sistema que cobra R$ 1 para cada 15 minutos de uso, além de se sentirem lesados com a quebra do contrato.

A justificativa da Yellow – novas medidas

No entanto, segundo a empresa, a decisão serve para cobrir os gastos com o transporte e reagrupamento dessas bicicletas. “Definir a área de atuação foi uma medida tomada para oferecer melhor qualidade no serviço”, declararam. Sem contar o gasto que a empresa deve ter com manutenção e reforma para recuperar as bikes que são constantemente vandalizadas.

Leia também: Testamos as “Amarelinhas!”

Para 2019, a Yellow prometeu oferecer melhor qualidade no serviço, com bikes sendo redistribuídas a outras regiões da cidade.

Apesar de justificar a delimitação como uma saída para melhorar a eficiência operacional, parece óbvio que a Yellow estudou, durante esses primeiros meses, as áreas de maior demanda e as zonas que se tornaram um problema. Quem mora em municípios da Grande São Paulo, como Taboão da Serra ou Embu, por exemplo, já deve ter notado o acúmulo das “amarelinhas” em determinadas áreas.

Mas, por enquanto, o pior de tudo é que avenidas que têm total infraestrutura às bikes, como a Eliseu de Almeida, na zona oeste de São Paulo, ficou excluída do mapa. A única saída é esperar até 2019, para ver se a zona clara no mapa seja estendida.