Zwift fatura US$ 120 milhões e mira status de “startup unicórnio”

CEO do Zwift diz que a ascensão dos “e-sports” vai deixar a plataforma mais conhecida

Zwift: treino alternativo, diversão e jogo sério (Foto: zwift.com)

O Zwift, a plataforma virtual que tirou a monotonia dos treinos de ciclismo indoor, já arrecadou US$ 120 milhões. Um dinheiro que seu co-fundador e CEO, Eric Min, garantiu que está sendo usado para expandir ainda mais as opções de treinamento. Eric quer agora que o Zwift caia também no gosto de corredores, além de mirar cada vez mais em torneios de videogame (“esports”, ou esportes eletrônicos), até atingir o status de “startup unicórnio”.

Atualmente, o Zwift tem mais de 1 milhão de contas registradas, com usuários que vão desde simples fãs de ciclismo até ciclistas profissionais, passando por atletas amadores que treinam sério.

Mais de um terço do pelotão do Tour de France 2018 é adepto do Zwift. Sem contar os centenas de grupos criados no Facebook que são exclusivamente movidos por atualizações sobre o Zwift.

Zwift: corrida e startup unicórnio

A meta agora, como Eric Min disse ao site techcrunch.com, é que a empresa atinja o status de “startup unicórnio” (quando tem avaliação de preço de mercado de mais de US$ 1 bilhão) em breve.

O CEO do Zwift acredita que a ascensão dos “esportes eletrônicos” vai deixar a plataforma cada vez mais conhecida e aceita no mainstream. “Nosso objetivo é levar o Zwift às Olimpíadas”, disse Eric ao mesmo site.

Atualmente, o ciclismo corresponde a 98% dos negócios da empresa, que também trabalha para decolar a corrida em sua plataforma.

E, ao mesmo tempo em que jogos virtuais realmente esportivos como o Zwift só ganham mais adeptos, a concorrência pode começar a incomodar: o CVRcade, por exemplo, promete inovar ao incluir o mountain bike, colocando terrenos e intempéries como desafios aos seus jogadores.

Leia também: CVRcade, o jogo que promete ser mais divertido do que o Zwift 

Enquanto isso, o Zwift tenta expandir seu conceito a academias, escritórios e hotéis. “Queremos construir um negócio que durará décadas ou mais”, concluiu Eric.