Chuvas interditam locais de treino de São Paulo nesta segunda (10)

Na manhã desta segunda-feira (10), São Paulo amanheceu intransitável. Chove na capital desde o fim da tarde do domingo e, devido a falta de políticas de contenção para situações de emergências, alagamentos, desabamentos e caos generalizado tomaram conta das ruas da cidade. As marginais Tietê e Pinheiros tiveram transbordamentos dos rios e estão com trechos intransitáveis.

A ciclovia da Marginal Pinheiros, um dos poucos locais de treino da cidade, estava totalmente inundada pela manhã, com mais de um metro de água na altura dos acessos, e deve permanecer bloqueada pelo menos até terça-feira.

+ O que você deve fazer depois de pedalar na chuva
+ Bicicletas da Yellow deixam de circular no Brasil

A prefeitura de São Paulo suspendeu o rodízio durante a segunda-feira. Quem optar por chegar ao destino de bike, contudo, deve ficar atento com o percurso escolhido e usar caminhos alternativos, preferindo bairros mais altos.

“A chuva começou ontem às 18h e não parou até agora. Sem chance de treinar, o rio transbordou na marginal Pinheiros e na Tietê”, conta Rodolfo Chacon, ciclista e mecânico na Oficina do Rodo, no bairro de Pinheiros, que teve várias vias afetadas. Fora o treino, a família ficou ilhada: sua esposa não pode ir ao trabalho e e as aulas da filha foram canceladas porque professores e funcionários não conseguiram chegar à escola.

A Zona Oeste foi a mais afetada pelas chuvas – coincidentemente é onde se concentram os poucos locais de treino dos paulistanos, como a Cidade Universitária da USP, em que ciclistas podem treinar apenas até às 6h30. Fica evidente em dias que o tráfego motorizado colapsa o quanto a cidade é dependente de carros para funcionar e o quanto faz falta o investimento em ciclovias e infraestrutura cicloviária em geral. Com a saída de serviços de bicicletas compartilhadas de cena, graças ao fim das operações da Yellow em diversas cidades brasileiras, as opções se reduzem cada vez mais

+ 2019: o pior ano para a bike em São Paulo
+ Por que o Rio de Janeiro se tornou uma das piores cidades para se pedalar

De acordo com o Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE), tempo deve continuar instável e com chuva. A recomendação dos bombeiros é que as pessoas evitem sair de casa. Na manhã desta segunda-feira (10), a cidade chegou a registrar 76 pontos de alagamentos, sendo 68 intransitáveis e 8 transitáveis. Às 9h, este número baixou para 56 pontos de alagamentos, sendo 51 intransitáveis e 5 transitáveis.