Como a Colômbia colocou um ciclista no topo do pódio do Tour de France

A Colômbia se livrou de Escobar, sentou para conversar com as Farcs e melhorou seus índices sociais para lançar estrelas da bike

Colômbia
Paixão nacional que começa desde criancinha (Foto: Erika Sallum)
Por Erika Sallum

Escrevo diretamente da Colômbia, para onde vim de férias pedalar e entender de perto por que o país produz alguns dos melhores ciclistas de todos os tempos.

Que suerte! Por coincidência, minha estadia por aqui calhou com o Tour de France, a mais importante competição em etapas do ciclismo de estrada.

Em uma edição histórica e emocionante, o jovencito Egan Arley Bernal Gómez, de apenas 22 anos, conseguiu se manter com a camisa amarela de líder na penúltima etapa, que aconteceu neste sábado (27 de julho).

>> Colombiano Egan Bernal é o primeiro sul-americano campeão do Tour de France

Isso lhe dá, virtualmente, a vitória no Tour, já que o último dia é de celebrações, champanhe e final triunfal em Paris. Se tudo correr bem e ele cruzar a linha de chegada sem imprevistos, se consagrará neste domingo (28 de julho) o grande campeão de 2019.

Colômbia
Na véspera do Tour, até as TVs de padarias de beira de estrada da Colômbia estavam ligadas na prova (Foto: Erika Sallum)

Bernal se torna, assim, o primeiro sul-americano a ganhar um Tour de France. E leva para a Colômbia o troféu da última Grande Volta que faltava para o país — o conterrâneo Nairo Quintana venceu o Giro d’Italia em 2014 e a Vuelta a España em 2016.

Entretanto a conquista de Bernal representa muito mais: a excepcional performance do rapaz nascido em Bogotá e criado no município de Zipaquirá mostra (de novo!) como um país que enfrentou episódios de violência extrema vem conseguindo fazer do ciclismo uma impressionante ferramenta de transformação e de afirmação da autoestima nacional — apesar de tudo. De origem humilde e indígena, Nairito já havia entrado para a lista dos grandes nomes do ciclismo, assim como Rigoberto Urán, Esteban Chaves e Fernando Gaviria, só para citar os mais famosos.

Esses talentos não impactam somente o esporte local. Quando Nairo sobe em um pódio ou quando Bernal aparece com o maillot jaune de líder do Tour de France, os colombianos não sentem apenas o coração bater mais forte, mas também se enchem da certeza de que décadas de Pablo Escobar, sequestros das Farcs, presidentes tacanhos e uma longa tradição em corrupção não acabaram com sua esperança no país.

A situação melhorou bastante desde que o ex-grupo guerrilheiro Fuerzas Armadas Revolucionarias de Colombia (Farcs) assinou acordos de paz durante o governo do então presidente Juan Manuel Santos, premiado por isso com o Nobel da Paz em 2016.

Graças aos acordos, é possível hoje pedalar por áreas onde não muito tempo atrás era impensável passar mesmo de carro, por temor de sequestros cometidos pelos integrantes das Farcs.

Colômbia
Nos botecos locais, discussões acaloradas sobre a performance de Bernal e Nairo (Foto: Erika Sallum)

Atualmente, em departamentos como Antioquia, o medo foi substituído por estradas bem pavimentadas (ai, que inveja!) e motoristas muito educados com os ciclistas (ai, que inveja 2). Povo amistoso, paisagens únicas que misturam bosques de altitude e vales tropicais, além de comida barata e saborosíssima, são outras surpresas que esperam os turistas que amam bike.

País de estrelas de outras modalidades, como Mariana Pajón, a maior estrela feminina da história do BMX, a Colômbia tem uma das relações mais lindas do mundo com a bicicleta. Isso mesmo sem a grana de uma Holanda ou os governantes gente fina da Dinamarca.

As altas montanhas andinas e o relevo desafiador ajudam a explicar parte da paixão nacional e do sucesso em provas internacionais. No entanto, há muito mais por trás dessa saga. A Colômbia rural sempre se locomoveu de bike — a exemplo de Nairo, que, filho de campesinos, passou parte da infância andando de bike enferrujada no departamento de Boyacá.

Nos anos de 1950, o país sediava a primeira Volta à Colômbia, competição inspirada nos grandes tours europeus e evento essencial na consolidação do ciclismo como esporte de alcance nacional. A modalidade teve momentos de baixa popularidade, porém figuras emblemáticas injetaram de ânimo a torcida.

Exímios escaladores, talentos como Luis Alberto “Lucho” Herrera, ganhador da Volta da Espanha em 1987, e Fabio Parra, o primeiro colombiano a conseguir um lugar no pódio no Tour de France, colocaram o país no mapa do ciclismo mundial. E fizeram do termo “escarabajo” (escaravelho) sinônimo de força colombiana nas montanhas — esses insetos podem subir qualquer coisa com suas patinhas de agarras.

Colômbia
Vegetação densa e estradas calmas aguardam quem se aventura a pedalar na Colômbia (Foto: Erika Sallum)

De lá para cá, a Colômbia se livrou de Escobar, sentou para conversar com as Farcs, melhorou (um pouco) seus índices sociais, lançou estrelas da bike e, com isso, vem atraindo cada vez mais turistas-ciclistas para desbravar suas terras em duas rodas. Já há até agências de luxo especializadas em roteiros lindos, como a Colombia Cycling, que contratei para me ajudar nestas férias.

Quer conhecer um dos países mais legais da América Latina do jeito mais sensacional que existe (de bike!)? Então deixe o preconceito de lado, esqueça os atentados das séries sobre Escobar e se jogue em uma aventura inesquecível pela terra natal de Nairo e, agora, de Bernal.