Por trás da foto: Daemon Track 2019

Velocidade, torcida gritando ensandecida, ciclistas tatuados dando tudo de si em curvas perigosas

Daemon Track

Daemon Track 2019, Bairro do Limão, São Paulo (SP)

Fotógrafo: Renan Bossi

A IMAGEM

Velocidade, torcida gritando ensandecida, ciclistas tatuados dando tudo de si em curvas perigosas. Tinha tudo isso e muito mais na 3ª edição do Daemon Track Crit, prova em estilo critério que rolou em junho no bairro do Limão, na cidade de São Paulo. Critérios são competições realizadas em circuitos curtos, geralmente com 1,5 km de extensão, quase sempre dentro de centros urbanos. Podem ser feitas com diversos tipos de bike, mas as fixas acabaram popularizando a modalidade por conta de eventos como o Red Hook Crit. No Daemon Track, “estradeiros” e fixeiros de vários cantos do Brasil se reuniram para ver de perto quem mais rápido completaria o tempo determinado de cada categoria. Criado por Francisco Martins, do projeto Daemon Cycling, o crit teve em sua 3ª edição o maior número de competidores e público, em uma festa onde não faltou muita música e cerveja.

POR TRÁS DA FOTO

Aos 28 anos, o paulista Renan Bossi pensou com antecedência para fazer a imagem que estampa estas páginas. “Essa relação entre torcida e velocidade é um tema que muito me atrai em todas as referências de fotógrafos que eu curto no mundo do ciclismo”, diz ele, que também é ciclista. “Acho interessante o fato de despersonificar o atleta e tratar os espectadores que estão ali como o foco, afinal são tão importantes quanto os ciclistas.” Para captar a foto, ele escolheu o canto mais animado do público naquele momento, onde estava rolando churrasco, drinques e música. “Meu desafio naquele dia foi caminhar pelo percurso e achar ângulos e cenas que contassem como estava sendo o evento, conseguindo somar nas fotos, além de performance, os cheiros, a vibe da galera, transeuntes passando e a arquitetura do bairro.”

>> Os brasileiros no Red Hoook Milão