Excesso de açúcar pode aumentar chances de depressão

Por Elizabeth Millard, da Runner's World EUA

Se você transformou 2020 em seu “ano de menos açúcar”, poderá descobrir que não é apenas a sua cintura e a saúde do coração que são afetadas – seu bem-estar mental e até seu risco de depressão também.

De acordo com uma análise recente de diversos estudos publicada na revista Medical Hypotheses, o consumo de grandes quantidades de açúcares adicionais (não os já naturalmente provenientes de alimentos como frutas, por exemplo) está associado a consequências adversas à saúde, como aumento do risco de doença cardiovascular, afetando a saúde intestinal, criando inflamação sistêmica, estimulando a resistência à insulina e interrompendo a sinalização hormonal – especialmente a dopamina.

Uma ampla gama de pesquisas sobre os efeitos psicológicos e fisiológicos do consumo de açúcar foi analisada, incluindo vários grandes estudos, como o Estudo Observacional da Iniciativa de Saúde da Mulher, que acompanhou quase 70.000 mulheres em um período de três anos.

+ Comer muita porcaria pode prejudicar sua visão
+ Como fazer sobremesas sem açúcar

Analisando o consumo de açúcar e a saúde, os pesquisadores observaram que as mulheres que consumiam a maior quantidade de açúcar adicionado apresentavam risco 23 por cento maior de depressão clínica subsequente do que aquelas que consumiam a menor quantidade.

Outros estudos na revisão descobriram que a incidência de depressão em adolescentes e adultos australianos, chineses, latinos e iranianos também foi maior naqueles que relataram beber bebidas adoçadas com açúcar como refrigerante regularmente.

Embora essas reações possam afetar sua saúde física, elas também aumentam o risco de transtorno depressivo maior, sugerem os pesquisadores. E quanto mais você come, pior fica – principalmente para aqueles que vivem em climas frios durante o inverno, quando a luz do sol é mais fraca e pode diminuir a ingestão de vitamina D. (No entanto, a conexão depressão-açúcar pode ocorrer durante qualquer estação, estudo sugere.)

O ciclo piora à medida que você fica deprimido, porque uma característica comum da depressão é o desejo de açúcar, de acordo com o coautor do estudo Stephen Ilardi, do Departamento de Psicologia da Universidade do Kansas.

Isso significa que você sempre tem que pular o bolo de aniversário no escritório ou nunca nem mesmo vislumbrar o menu de sobremesas?

Ilardi disse que não, mas estar ciente do quanto você está comendo é importante.

Consumir açúcar, mesmo o “tipo ruim” (refinado) ocasionalmente, dificilmente criará o tipo de efeito de alteração de humor observado neste estudo, disse ele à Runner’s World. Em vez disso, é o consumo crônico, a longo prazo e de altas doses de açúcar, durante um período de meses, que começa a criar essa tempestade perfeita de mudanças físicas e mentais.

Dito isso, Ilardi acrescentou que consumir bastante açúcar de uma vez pode causar uma queda de açúcar subsequente no sangue que afeta o humor e a energia, graças a um efeito rebote, já que o pâncreas libera uma dose excessivamente grande de insulina em resposta. Isso pode colocá-lo no território da tristeza de açúcar, mas não deve ser confundido com a verdadeira depressão clínica, disse Ilardi.

Mas e se essas compulsões por açúcar são uma ocorrência regular, talvez até diária, que continua por alguns meses ou mais?

Essa é uma história diferente. E, como Ilardi apontou, é comum.

“O norte-americano médio, por exemplo, come cerca de 22 colheres de chá de açúcar adicionado a cada dia”, disse ele. “Consumir açúcar refinado em doses altas como essa pode aumentar o risco de uma pessoa ficar clinicamente deprimida. Essa é a mensagem para levar aqui.”

É por isso que é melhor reduzir a ingestão de açúcar adicionado para não mais que 9 colheres de chá (ou 36 gramas) por dia, se você é homem, e não mais que 6 colheres de chá (ou 25 gramas) por dia, se você é mulher. Mais do que isso regularmente pode aumentar suas chances de ficar triste, especialmente quando o tempo frio chega.

Se você tem alto risco de depressão ou está sentindo algum sinal dela – como uma contínua falta de energia, tristeza, raiva, ansiedade ou insônia – converse com um médico sobre as opções de tratamento.