Medalhas dos Jogos Paraolímpicos de Tóquio foram pensadas nos deficientes visuais

As medalhas também serão feitas de metais provenientes de eletrônicos reciclados.

medalhas
  • O Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio divulgou as medalhas para os Jogos Paraolímpicos de 2020.
  • Semelhante às medalhas olímpicas apresentadas em julho, elas serão feitas de metais provenientes de equipamentos eletrônicos reciclados.
  • Pela primeira vez na história dos Jogos, as medalhas terão características para que os deficientes visuais possam identificar seu lugar pelo toque.

Estamos a um ano do início dos Jogos Paraolímpicos de Tóquio 2020 e, para marcar a ocasião, o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paraolímpicos de Tóquio divulgou as medalhas que os atletas ganharão.

Semelhante às dos Jogos Olímpicos de 2020, as medalhas paraolímpicas serão feitas por metais provenientes de eletrônicos reciclados, como celulares antigos, laptops, jogos portáteis e câmeras que foram doados pelo público.

>> Como chegar aos 90 anos pedalando muito

Embora as medalhas sejam feitas do mesmo material, elas têm um design completamente diferente. Enquanto as olímpicas têm a aparência tradicional e simples, as paraolímpicas são projetadas em torno de motivos japoneses como o mangá e o ponto de pivô, representando a união de atletas, independentemente da nacionalidade ou etnia.

Nas folhas do leque estão representações do ambiente natural do Japão, incluindo rochas, flores, árvores, folhas e água, que podem ser identificadas quando sentidas na superfície texturizada. Isso é essencial para atletas com deficiência visual, que foram fortemente lembrados durante o processo de design.

Além das partes texturizadas, as medalhas também terão uma série de indentações circulares no lateral para indicar o local em que o recebedor obteve – uma indentação representa ouro, duas significa prata e três identifica bronze. As letras em braille também indicam “Tóquio 2020” na frente das medalhas.

Da mesma forma, a fita para a medalha possui pontos de silicone – um para ouro, dois para prata e três para bronze – outra maneira de os atletas com deficiência visual identificarem seu lugar.

“Estou muito agradecido por ter participado desses Jogos históricos como designer. Eu queria manter os atletas na frente e no centro ao criar esse design ”, disse Sakiko Matsumoto, designer das medalhas, em comunicado à imprensa. “Espero que essas medalhas aproximem os atletas e as pessoas ao seu redor e despertem uma brisa nova em seus corações.”