Oslo tem zero acidentes com ciclistas e pedestres em 2019

Jessica Coulon e Verônica Mambrini

Oslo, Noruega. Imagem: Global_Pics/ Getty Images

Oslo tem zero acidentes com ciclistas e pedestres em 2019: um marco no projeto Vision Zero, que tinha por objetivo reduzir até zerar mortes no trânsito até 2020. Concebido pelo parlamento sueco em 1997, o conceito era a necessidade ética de promover mudanças no trânsito que reduzissem acidentes graves e fatais. 

“Não é eticamente aceitável que pessoas sejam mortas ou sofram acidentes graves ao se locomover usando as vias de um sistema de transporte”, diz um dos princípios do Vision Zero. Tecnicamente, Oslo não zerou todo tipo de incidente no trânsito. Em 2019, houve uma fatalidade no trânsito, em que um motorista perdeu o controle do carro e bateu em uma cerca. Ainda assim, parece ser o mais perto que uma cidade grande moderna tenha chegado dessa meta ambiciosa.   

Plano de longo prazo

Não foi do dia para noite que o Vision Zero trouxe resultados. De acordo com o jornal norueguês Aftenposten, houve 41 mortes no trânsito em Oslo em 1975, antes da implementação de medidas de segurança como redução dos limites de velocidade se tornassem comuns. Uma década depois, o número de vítimas fatais caiu para 27. Apenas cinco anos depois, em 1990, o número baixou para 18. Antes de 2019, o ano com menos acidentes fatais no trânsito tinha sido 2005, com três fatalidades. 

Em São Paulo, vítimas aumentam

Enquanto isso, as metas do Vision Zero parecem impraticáveis em cidades como São Paulo. Em outubro de 2019, já tinham sido registradas 86 vítimas fatais no trânsito, contra 72 em outubro do ano anterior, um aumento de quase 20% – esses números são comparativos apenas do mês de outubro.

Leia mais:
Ciclovias protegidas vão ter mais de 400 km em Nova York
Ciclovias são mais do que vias seguras para bicicletas, diz ativista
A ciclovia da Holanda que já completou um século

Nos dez primeiros meses de 2019, a soma de vítimas no trânsito foi de 737, contra 707 no ano anterior e 751 em 2017, quando o então prefeito da cidade, João Doria, aumentou os limites de velocidade nas marginais. De acordo com o relatório do Infosiga, que usa a base de dados do governo estadual, o número de ciclistas mortos no trânsito da cidade de São Paulo aumentou três vezes no primeiro trimestre de 2019 em relação ao mesmo período do ano passado, com 16 vítimas.

Qual o segredo de Oslo?

O artigo do Aftenposten ensaia algumas teorias. A mais promissora é que a cidade de Oslo não adotou nenhuma medida mirabolante. As melhorias no trânsito que possivelmente reduziram as mortes foram mais infraestrutura ciclística, limites de velocidade mais baixos, veículos mais tecnológicos e ruas e estradas melhores de forma geral.

A cidade também criou zonas car-free em lugares estratégicos, como ao redor de cada escola primária, em um esforço para garantir a segurança das crianças – nenhuma criança abaixo de 15 anos morreu em acidentes na Noruega toda no ano passado. 

No fim das contas, estes resultados encorajadores parecem ser o resultado de uma soma de medidas e soluções com foco contínuo no aperfeiçoamento. E enquanto (ainda) não é possível prevenir totalmente a falha humana, um planejamento urbano cuidadoso pode fazer muita diferença. Até porque foi basicamente esse o segredo para Oslo ter zero acidentes com ciclistas e pedestres em 2019. 

Como diz a própria Vision Zero em seus documentos, “não se deve abrir mão nunca de vida e saúde em nome de outros benefícios na sociedade” – nem a conveniência de carros particulares, e certamente não a velocidade do fluxo do trânsito.

Leia também:
Patinete elétrico causa segunda morte no trânsito
O que deve ser feito para melhorar a segurança de ciclistas no trânsito
Nova tecnologia vai permitir que carros percebam as bikes no trânsito