Pancada na cabeça pedalando: saiba o que fazer

Por Elizabeth Millard, da Bicycling US

Imagem: Shutterstock

Pequenas quedas acontecem. Você pode escorregar num dia chuvoso, ou bater em outra bike em um pedal em grupo. Você levanta, sacode a poeira e volta a pedalar. Mas 10Se realmente tiver tido uma concussão, esperar alguns dias ou até semanas já pode aumentar seu tempo de recuperação, de acordo com um novo estudo, publicado pelo jornal médico JAMA Neurology.

Os pesquisadores avaliaram 162 adolescentes e jovens atletas, com idades entre 12 a 22 anos, que visitaram uma clínica de medicina do esporte especializada em concussões, depois de terem sofrido qualquer tipo de acidente que envolvesse a cabeça. O estudo foi conduzido entre 2016 e 2018. 

Os achados? Os pacientes diagnosticados na primeira semana depois da pancada se recuperaram cerca de 20 dias antes, na média, do que os que foram ao médico duas ou três semanas depois da lesão.

+ Como é ser atropelado de bike, e sobreviver

Pesquisas anteriores já tinham descoberto que adolescentes levam cerca de um mês a mais que adultos para se recuperar de concussões, o que torna o diagnóstico precoce ainda mais importante. Mas este estudo sublinha a importância de passar no médico sempre que tiver suspeita de concussão, não importa a idade. 

“Uma avaliação completa e exame clínico permitem tratamentos mais específicos para os sintomas e perdas o quanto antes”, diz o autor do estudo, Anthony Kontos, diretor de pesquisa no programa de concussões do Centro de Medicina Esportiva da Universidade de Pittsburgh. Alguns dos exames usados para o diagnóstico são tomografia computadorizada, ressonância magnética e testes neuropsicológicos.

O que é uma concussão

Em uma concussão, o cérebro “se sacode” dentro do crânio, forçando as membranas protetoras e fluidos que o envolvem. Isso pode causar inchaço, também chamado de edema, no cérebro. Isso pode acontecer tanto pelo impacto da pancada quanto pela mudança de direção brusca, como uma “chicoteada” ou mudanças na aceleração. Mesmo pequenas pancadas na cabeça – e mesmo de capacete! – podem levar a lesões cerebrais.   

Como esses impactos afetam o sistema nervoso, os primeiros sintomas costumam ser náusea,  tontura e piora no equilíbrio, mas os danos nos tecidos do edema cerebral afetam partes do cérebro ligadas ao comportamento também. Alguns dos sintomas de concussão mais conhecidos são fala mais lenta que o habitual, tontura, perda temporária de memória, alta sensibilidade à luz, dificuldade para dormir, cansaço excessivo e dor de cabeça constante. Mas Kontos ressalta outros comportamentais, como irritabilidade, depressão, ansiedade e mudanças de humor. Nem sempre estas alterações ficam evidentes para leigos, como amigos e família.

Tratamento adequado

As conclusões do estudo são parecidas com as de estudos sobre a janela de recuperação de outras formas de lesão cerebral, como derrames. O perigo em qualquer tipo de trauma é que a recuperação pode ser ainda mais retardada por estratégias de tratamento erradas, como descansar demais ou fazer atividade física excessiva.

Por isso não procurar o médico logo pode acentuar os danos cerebrais e deixar sequelas. O tratamento costuma focar em estimulação cognitiva e exercícios leves como forma de reduzir a inflamação da lesão e ajudar as conexões neurais e tecidos cerebrais a se curarem. Só o médico saberá dosar corretamente a dose de estímulo e descanso. 

Kontos cita também a estratégica de alimentação, sono, hidratação e gerenciamento do estresse como formas de melhorar mais rápido. Mas o que mais parece fazer diferente é a duração do tempo entre a lesão e o começo do tratamento. “Os pacientes não deveriam esperar dias para ver se os sintomas vão embora sozinhos”, diz Kontos. “Quanto antes você for, antes você vai receber o tratamento que vai fazer sua recuperação mais rápida.”

+ Como montar seu kit de primeiros socorros