Phil Gaimon recebe conta de 250 mil dólares por acidente em velódromo

Phil Gaimon após acidente em junho de 2019. Foto: divulgação

Se você não conhece Phil Gaimon pela sua carreira no ciclismo (ele já fez parte de equipes como Garmin, Cannondale, etc.), talvez você o conheça pela sua aposentadoria, em 2016. Foi quando ele virou um escritor e youtuber de sucesso – a série Worst Retirement Ever (“a pior aposentadoria do mundo”), na qual faz várias tentativas de roubar KOMs no Strava, falando também das paranoias, obsessões e invejas dos amadores do ponto de vista de um ex-pro. Gaimon acaba de receber uma conta de 250 mil dólares por acidente em velódromo e vai acionar a justiça.

“Obviamente não vou pagar”, disse Gaimon à Cycling Weekly. O acidente foi em junho do ano passado, no velódromo Valley Preferred Cycling Center, na Pennsylvania (EUA), em uma prova qualificatória para as Olimpíadas de Tóquio. A queda em alta velocidade rendeu quatro costelas quebradas, fratura da escápula, clavícula e pneumotórax. Gaimon tem um plano de saúde particular, mas mesmo assim, chegou uma conta de US$ 250 mil referente ao tratamento médico – equivalente a mais de um milhão de reais.

Leia também:
Os alimentos mais estranhos do Tour de France
Peter Sagan dá autógrafo enquanto sobe montanha mais difícil do Tour de France

O ciclista foi levado a um pronto-socorro e passou três dias internado, esperando um cirurgião que pudesse fazer a cirurgia de ombro, porque era uma fratura particularmente delicada e complexa. Foi transferido para outro hospital para o procedimento, mas esse hospital não fazia parte da rede credenciada pelo seu plano de saúde, e cobrou US$ 96 mil pelo atendimento. 

O primeiro hospital mandou uma conta de US$ 150 mil pelo transporte e pelos três dias de internação e atenção médica. Coisa que nem Gaimo consegue entender, porque na ausência do cirurgião especializado, foi perguntado a ele como proceder com o próprio tratamento. O ciclista afirma que estava sob efeito de analgésicos fortes e não estava totalmente lúcido. 

Na época do acidente, ele postou nas ruas redes sociais que tinha sorte de ter seguro médico, senão teria que fazer uma vaquinha para pagar a conta, e incentivou os fãs a doarem para o programa No Kid Hungry, contra a fome infantil na África. Os fãs de Gaimon doaram mais de US$ 100 mil. 

Gaimon garante que vai à justiça para obrigar ao seguro médico pagar as contas da queda de US$ 250 mil.

Veja a série de Phil Gaimon no Youtube:
A pior aposentadoria do mundo