Quanto tempo leva para engordar?

Por Elizabeth Millard, da Runner's World US

Foto Shutterstock
Quanto tempo leva para engordar?

Você come direitinho na maior parte do tempo, mas em uma ocasião especial acaba exagerando. Um deslize pode colocar toda a dieta em jogo? Será que todo o esforço foi em vão? Quanto tempo leva para engordar?

Segundo um novo estudo publicado no American Journal of Physiology Endocrinology and Metabolism, um curto período de comilança pode afetar mais o seu corpo (medidas) do que os números na balança.

Durante um certo período de tempo, os voluntários da pesquisam comeram aproximadamente 1.000 calorias a mais por dia do que normalmente consumiam, ou 46% a mais do que o habitual.

Foram medidos a massa gorda, açúcar no sangue e níveis de insulina antes do início do período de pesquisa e após cada período de dieta. Nessas calorias extras estavam batatas fritas e chocolates, por exemplo.

No final do período de cinco dias, a gordura abdominal dos participantes aumentou em 14%. Mas, em outras medidas de composição corporal, não houve muito efeito. De fato, não houve diferença significativa no peso total ou na massa gorda.

Leia também: 8 COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE ÁGUA COM LIMÃO

No final dos 28 dias, porém, a história foi diferente. Após um mês comendo 1.000 calorias a mais por dia, a massa gorda dos participantes aumentou em quase 1,36 kg. Esse aumento representou um ganho de peso médio de aproximadamente 1,59 kg.

O metabolismo é inteligente

Os pesquisadores também observaram que o organismo lida de maneira diferente com cada situação. Quando há curtos períodos de aumento no consumo de calorias, ele altera o metabolismo para favorecer o uso de carboidratos.

Isso, na verdade, contraria a primeira hipótese dos pesquisadores. Eles achavam que comer demais em curtos períodos prejudicaria primeiro o fígado e depois o músculo. Mas, de acordo com o pesquisador-chefe Glenn Wadley, da School of Exercise and Nutrition Sciences at Deakin University, na Austrália, a transição que o corpo faz para o uso de carboidratos evita que isso aconteça.

“Essa adaptação inicial pode ajudar até mesmo em como seu corpo lida com o açúcar no sangue”, disse Glenn. Ou seja, quanto tempo leva para engordar. Talvez por isso os participantes não tenham registrado mudanças nos níveis de açúcar no sangue (em jejum) depois de cinco dias de exageros.

Mas isso não funciona em períodos de longo prazo: o nível de açúcar no sangue em jejum foi ligeiramente maior após 28 dias de excessos.

Sem peso na consciência, mas com cautela

O estudo, obviamente, tem suas limitações. Além das poucas pessoas estudadas, a pesquisa foi feita apenas em homens jovens. E a situação dos indivíduos antes do período de teste foi extremamente controlada.

Primeiro eles ficaram sem bebida alcoólica e sem praticar atividade física por 48 horas. Por fim, no dia anterior ao teste, eles tinham ingerido uma dieta específica contendo 55% de carboidratos, 30% de gordura e 15% de proteína.

Leia também: 7 DICAS PARA DORMIR BEM E PEDALAR MELHOR

Apesar dessas ressalvas, os resultados fornecem algumas dicas sobre como o corpo pode ser capaz de se adaptar a alguns dias de excessos sem prejuízo significativo.

“De uma perspectiva evolucionista, é uma forma de o organismo se preparar para o próximo período de fome. O que significa que nosso corpo é bastante inteligente para criar mudanças no consumo de energia com base nas necessidades antecipadas de curto prazo.”

Quando os dias de excesso se tornam semanas ou meses, os problemas podem surgir. Um exemplo é aumento do risco de resistência à insulina, que acontece quando o corpo não consegue absorver rapidamente o açúcar no sangue. Se os níveis de açúcar no sangue aumentam, as chances de desenvolver pré-diabetes ou diabetes são maiores.

Glenn ressalta que os sinais de comprometimento do sistema metabólico podem ser piores, ou pelo menos mais rápidos, se você abusar de uma dieta mais rica em gorduras. Mas concorda que mais pesquisas precisam ser feitas, especialmente em pessoas de diferentes faixas etárias, e incluindo mulheres.

“Não estamos defendendo a compulsão periódica”, disse Glenn. “Mas, do ponto de vista da saúde, comer em excesso durante curtos períodos pode ser suportado pelo corpo sem efeitos em longo prazo.”