Recorde mundial: húngaro pedala por 7 países em um dia

David Kovari percorreu 500 km para ter seu nome gravado no Guinness World Records

Recorde Mundial

Enquanto o húngaro David Kovari completava seu mestrado em Budapeste, ele teve uma ideia: todo o tempo gasto estudando ou trabalhando não eram coisas que lhe davam alegria. Dessa forma, meio que sem querer, se viu na busca de tentar bater um recorde mundial.

Ele queria aproveitar a vida se esforçando ao limite. Então foi naturalmente levado a bater um recorde mundial para entrar para o Guinness World Records – o Livro dos Recordes.

David pesquisou e encontrou um recorde para o “maior números de países visitados em 24 horas de bicicleta” (por um homem). Pronto, seria a mistura perfeita de desafio esportivo, estratégia e logística — tudo o que ele procurava.

>> Mulher pedala a 296 km/h para bater um recorde

Depois de semanas de preparação meticulosa, descobriu o que acreditava ser o percurso ideal para superar o recorde já existente de seis países pedalados num único dia. Ele teria só que vencer a distância!

O recorde foi estabelecido pela primeira vez em quatro em 2013 por Glen Burmeister (Reino Unido), que escolheu a Europa Oriental para a sua tentativa, começando na República Checa, indo à Áustria, Eslováquia e Hungria. Alguns anos mais tarde, seu compatriota Karsten Koehler o superou ao tentar o recorde nas Europas Ocidental e Central, chegando à Bélgica, Holanda, Alemanha, Luxemburgo e França – lembre-se, tudo em um período de 24 horas.

Em 2016, o alemão Michael Moll calculou que era melhor começar sua tentativa na Itália, antes de passar pela Suíça, Liechtenstein, Áustria, Alemanha e França para bater este recorde mundial.

David (o húngaro), no entanto, acreditava que seria melhor começar na Polônia, antes de seguir ao sul pedalando pela República Tcheca, Eslováquia, Áustria, Hungria, Eslovênia e Croácia – sete países, num total de mais de 500 km.

Recorde mundial
Caminho percorrido por David para quebrar um recorde mundial

“Eu usei três plataformas diferentes para planejar”, explicou. “As estradas foram divididas em três categorias com base em sua qualidade: perfeitas, aceitáveis e sem restrições. O plano era ficar o máximo possível em estradas perfeitas, evitar estradas principais e tráfego pesado e manter a elevação ao mínimo.”

Para a jornada, David arrumou uma pequena sacola de itens essenciais (ferramentas, câmera, GPS, bebidas energéticas, salada e sushi — preparados por sua mãe exclusivamente a ele) antes de cumprir a missão de ter seu nome gravado no almejado Guinness World Records.

Seu primeiro intervalo de descanso foi somente depois de 10 horas de pedal, quando alcançou a Bratislava, na Eslováquia, que é perto das fronteiras austríacas e húngaras.

David explicou que seu país natal, a Hungria, era o seu lugar favorito. “Como a tentativa tinha começado às 5 da tarde, eu estava viajando no escuro na maior parte do tempo. A Hungria foi o primeiro país que entrei depois do nascer do sol e foi uma experiência incrível. Senti o calor tanto no meu coração como no meu corpo. Cruzar a fronteira foi como se eu tivesse chegado em casa.”

Ele chegou a Mursko Središće, na fronteira norte da Croácia com a Eslovênia, restando ainda pouco mais de duas horas.

“Mas alcançar o próximo país seria quase impossível”, observou ele. O país mais próximo era a Bósnia e Herzegovina, distante cerca de 228 km.

Além de um desafio pessoal, David usou a tentativa recorde para apoiar o ensino de Tecnologia da Informação para crianças. Ele bem que gostaria de quebrar seu próprio recorde um dia; mas antes disso planeja celebrar a recém conquista no Guinness World Records Day, dia 8 de novembro, que também é a data do seu aniversário.